Febre aftosa humana já afeta mais de 4.500 crianças na China

Doença pode avançar e ocasionar meningite, encefalite, edemas pulmonares e paralisias

Efe,

04 de maio de 2008 | 02h56

O surto de febre aftosa humana na província oriental chinesa de Anhui continua se propagando e já afeta 4.529 crianças, enquanto a província sulina de Cantão acaba de confirmar duas mortes, conforme publica neste domingo, 4, a imprensa local. Veja também:Vírus leva à morte de 22 crianças na China A cidade de Fuyang, em Anhui, continua sendo a mais afetada, e os doentes subiram de 3.321 na sexta-feira para 3.736 no sábado, disseram no sábado à noite as autoridades locais. O número de mortos não variou desde sexta-feira e continua sendo de 22. Em toda a província, 4.529 crianças foram infectadas pelo enterovírus 71 em 15 cidades, segundo a agência oficial Xinhua. O Ministério da Saúde, que no sábado emitiu um alerta nacional para evitar a propagação da doença, enviou 45 especialistas médicos a Fuyang. O Governo provincial elevou ao nível dois a emergência de saúde, o que significa que pode colocar em quarentena os pacientes e controlar os deslocamentos. Em Cantão as autoridades sanitárias confirmaram sábado à noite que dois bebês de 18 e 20 meses morreram na cidade de Foshan devido à doença, que não guarda relação alguma com a do mesmo nome que afeta o gado bovino, ovino e suíno. A febre aftosa humana afeta sobretudo menores de dez anos e tem sintomas como febre, aftas na boca e brotoejas em mãos e pés. Pode chegar a ocasionar meningite, encefalite, edemas pulmonares e paralisias. O Ministério previu que os casos aumentarão nos próximos meses visto que junho e julho são a temporada de maior incidência da doença. Várias províncias estão informando nas últimas horas sobre os casos que foram registrados este ano, entre elas Hubei (ao leste de Anhui) que confirmou 340 casos este ano.

Tudo o que sabemos sobre:
febre aftosa humanacriançasChina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.