FIOCRUZ
FIOCRUZ

Febre amarela causa morte no interior de São Paulo

Há suspeita de que a doença seja do tipo silvestre, já que no Brasil não há casos da febre amarela urbana desde a década de 1940

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

04 Maio 2016 | 19h14

SOROCABA - A Secretaria de Saúde de Bady Bassitt, no interior de São Paulo, confirmou nesta quarta-feira, 4, a febre amarela como causa da morte de um homem de 38 anos. A vítima estava internada havia duas semanas no Hospital de Base de São José do Rio Preto. Há suspeita de que a doença seja do tipo silvestre, já que no Brasil não há casos da febre amarela urbana desde a década de 1940. 

Nas áreas urbanas, a febre amarela é transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika vírus e chikungunya. Como a vítima frequentava áreas rurais, ela pode ter adquirido o tipo silvestre da doença, transmitido pelo mosquito haemagogus, que habita as matas.

A Secretaria de Saúde do Estado enviou agentes à região para percorrer áreas rurais em busca de identificar o transmissor. De acordo com a prefeitura de Bady Bassit, familiares informaram que a vítima costumava pescar em bairros rurais, entre eles a Mata dos Macacos, uma área mais remota. 

O paciente havia sido internado no dia 26 de março com sintomas de dengue, que são parecidos com os da febre amarela. Apesar do tratamento, ele não se recuperou e morreu 12 dias depois, mas o resultado dos exames confirmando a doença só saiu esta semana.

Novos exames foram solicitados para não restar dúvida sobre a causa da morte. De acordo com a coordenadora de Saúde de Bady Bassit, Elizabeth Mendes, a cidade está em alerta. O último caso de febre amarela silvestre na região foi registrado em 2008.

Mais conteúdo sobre:
São PauloBrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.