Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Febre amarela mata 300 pessoas no Brasil desde dezembro

Minas tem o maior números de casos confirmados (415), seguido por São Paulo (376) e Rio de Janeiro (123)

Lígia Formenti, O Estado de S.Paulo

14 Março 2018 | 21h36

BRASÍLIA - Trezentas pessoas morreram no País desde dezembro por causa da febre amarela. Números divulgados pelo Ministério da Saúde mostram que, somente neste ano, foram confirmados  916 casos da infecção, com 299 óbitos. O indicador já é muito superior ao que foi registrado durante todos os meses de  2017, o ano que até então era considerado com maior número de casos de febre amarela da história recente. Na epidemia do ano passado, haviam sido contabilizados 777 casos, com 261 óbitos.

+++ Rio registra 150 casos de febre amarela no ano, com 60 mortes

Minas Gerais tem o maior número de casos confirmados (415), seguido por São Paulo (376) e Rio de Janeiro (123). Apesar das estatísticas muito superiores das que foram apresentadas durante os 12 meses do ano passado, o Ministério da Saúde argumenta que a doença atualmente atinge áreas metropolitanas, com maior contingente populacional. E, seguindo essa lógica, a distribuição de casos por número de habitantes, a incidência, é menor agora. Esse raciocínio, no entanto, é pouco usual. 

+++ NYT: Profissionais de saúde correm para vacinar população contra febre amarela

Tradicionalmente, para doenças como febre amarela, o que se leva em consideração é o número absoluto de casos, não a comparação com a população residente na área atingida pelo surto.

+++ Lollapalooza 2018: Secretaria de Saúde recomenda que público tome a vacina contra a febre amarela

A campanha de vacinação contra febre amarela em São Paulo, Rio e Bahia continua. Desde 25 de janeiro, quando a iniciativa teve início, foram vacinados 6,5 milhões de pessoas. Um número bem abaixo da meta, que é vacinar 23,9 milhões que vivem em áreas consideradas de maior risco.

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, que tem afirmado que a situação da febre amarela está "sob controle" afirmou não haver ainda nenhuma decisão sobre como será feita a extensão da indicação da vacina contra doença para todo o País.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.