Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Febre amarela: vacina não deve atingir toda SP

A meta de vacinar toda população paulista contra febre amarela até o fim do ano dificilmente será cumprida, avalia o coordenador de Controle de Doenças da Secretaria de Saúde de São Paulo, o infectologista Marcos Boulos

Lígia Formenti, O Estado de S.Paulo

25 Maio 2018 | 03h00

BRASÍLIA - A meta de vacinar toda população paulista contra febre amarela até o fim do ano dificilmente será cumprida, avalia o coordenador de Controle de Doenças da Secretaria de Saúde de São Paulo, o infectologista Marcos Boulos. Passados quatro meses do início da campanha, cerca de 55% da população alvo foi imunizada. “É decepcionante. Não estamos conseguindo atingir a população. Mantida essa tendência, não conseguiremos vacinar todo o Estado”, resumiu.

+ Imunização contra gripe só atinge 40% do previsto em SP

A recomendação foi de tentar aproveitar a campanha de vacinação contra gripe para alertar sobre a necessidade de também se proteger contra o vírus. Os resultados, porém, foram menores do que o esperado. Agora, o Estado busca novas estratégias para tentar convencer a população sobre a importância de ser imunizado. O argumento: o risco é permanente.

Embora os número de casos da doença tenham se reduzido com a chegada do frio, Boulos alerta que febre amarela é um problema que veio para ficar. “Não adianta. A doença não vai mais sair da região. Ela se tornou endêmica. Não é possível acabar com mosquito, não dá para acabar com as matas”, completou. Uma pessoa não vacinada que for à região da Cantareira, na região norte da Grande São Paulo, diz Boulos, sempre terá risco de contrair a doença. 

Números. Neste ano, 531 casos autóctones de febre amarela silvestre foram confirmados em São Paulo, com 199 mortes. “Febre amarela é grave, 40% das pessoas infectadas morrem. Tudo isso poderia ser evitado com a vacinação.” A circulação do vírus tem se expandido ao longo dos anos.

Mais conteúdo sobre:
febre amarela vírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.