Prefeitura de Campos do Jordão/Divulgação
Prefeitura de Campos do Jordão/Divulgação

Fechada para turismo de inverno, Campos do Jordão tem 1ª morte pelo coronavírus

Conforme a prefeitura, o município contabiliza 25 casos da covid-19, com oito pacientes em tratamento, mas apenas dois internados

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

26 de maio de 2020 | 18h45

SOROCABA – Às vésperas da alta temporada do inverno, a turística Campos do Jordão, de 52.088 habitantes, na Serra da Mantiqueira paulista, registrou a primeira morte pelo coronavírus nesta terça-feira (26). A vítima, uma senhora aposentada de 87 anos, sem comorbidades, estava internada em unidade de tratamento intensivo do Hospital Regional, localizado em Taubaté. Conforme a prefeitura, o município contabiliza 25 casos da covid-19, com oito pacientes em tratamento, mas apenas dois internados. Há ainda 46 casos suspeitos e um óbito em investigação.

Pesquisa divulgada em 2019 pelo Ministério do Turismo colocou Campos do Jordão em 10º lugar no país entre os destinos mais procurados pelos turistas. São mais de 4 milhões de visitantes por ano, 1,5 milhão somente no inverno. A alta temporada começa no feriado de Corpus Christi, em junho, e vai até agosto. O movimento é mais intenso durante o Festival de Inverno, realizado em julho, nas férias escolares. Este ano, a cidade se isolou na tentativa de evitar a chegada do vírus, uma estratégia para tentar a reabertura ao turismo ainda durante o período frio.

Um dos acessos secundários à área urbana foi fechado de forma permanente e nas principais entradas, inclusive no portal da cidade, foram instaladas barreiras sanitárias. No último fim de semana, 1.200 veículos passaram pelas barreiras, a maioria de serviços essenciais, como de entregas para supermercados. Quem chega, tem a febre medida e, se for possuidor de imóvel na cidade, é orientado a permanecer em casa. A cidade tem 15 mil imóveis de turistas.

Restaurantes, hotéis e os pontos turísticos da cidade estão fechados. Quem sai de casa, é obrigado a usar máscaras. A prefeitura criou uma multa diária de R$ 5 mil para empresas de viagens e hospedagens por locação indevida. Equipes da vigilância sanitária e da Guarda Civil percorrem os locais para flagrar infratores. No fim de semana, uma pousada foi autuada e os hóspedes tiveram de sair. As casas de inverno passam por vistoria através de amostragem para verificação de eventual locação a terceiros.

A prefeitura adiou para agosto a realização do Festival de Inverno. O adiamento foi visto como saída para reduzir o prejuízo estimado em R$ 150 milhões com a queda no turismo, segundo o sindicato dos hotéis e restaurantes. Em 50 anos, é a primeira vez que o festival acontece neste mês. O prefeito Fred Guidoni (PSDB) informou que o isolamento social deve ser mantido pelo menos até o dia 31 de maio, conforme decreto municipal em vigor. É quando a expansão da covid-19 será avaliada para a revisão das medidas. “O que estamos fazendo aqui é salvar vidas. Não é uma questão político partidária, mas sim uma ação de preservação de vidas humanas”, disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.