Fechamento de termelétrica reduz problemas de saúde

Crianças nascidas após o fechamento de uma usina na China tiveram 60% menos problemas de desenvolvimento

AP

14 de julho de 2008 | 17h13

Crianças nascidas após o fechamento de uma usina termoelétrica na China tiveram 60% menos problemas de desenvolvimento, sugeriu um estudo divulgado nesta segunda-feira, 14, dando munição para quem argumenta que o país deveria adotar fontes mais limpas de energia. O estudo, publicado na revista Environmental Health Perspectives, determinou que, após o fechamento da usina na cidade de Tongliang, mulheres grávidas tiveram uma menor exposição a poluentes e seus filhos tiveram significativamente menos atrasos de desenvolvimento, como problemas de coordenação motora aos 2 anos.  "Esse estudo fornece evidências diretas de que a atitude do governo de fechar a usina poluente teve benefícios consideráveis para o desenvolvimento das crianças", disse Frederica Perera, autora do estudo e diretora do Columbia Center for Children's Environmental Health em Nova York. "Esses achados têm implicações importantes para a saúde ambiental e política energética na China e no mundo", disse.  O estudo testou o desenvolvimento de dois grupos de cerca de 100 crianças, um antes do fechamento em 2004 e outro depois.  Barbara Finamore, diretora do National Resources Defense Council da China, cujo grupo ajudou os pesquisadores a identificar o local, disse que está esperançosa de que os achados convençam as autoridades a pesar as vantagens do carvão em relação aos custos para a saúde.  "O carvão é muito mais barato que suas alternativas, mas quando você leva em conta o custo do carvão para a saúde as crianças, isso muda a equação", disse. "Com a política de permitir que cada família tenha apenas um filho, as crianças são um dos recursos mais preciosos da China. Eles não podem arriscar perder uma nova geração de crianças com sérias dificuldades de desenvolvimento." Peter D. Sly, chefe das pesquisas da saúde infantil da Organização Mundial da Saúde, foi mais cauteloso. Ele disse que é um "estudo interessante" que mostra que a diminuição da exposição a poluentes durante a gravidez pode melhorar a saúde das crianças, mas acrescentou que esse estudo não tem implicações para "usinas térmicas modernas a carvão" na China.  Essa usina em particular era antiga, e não tinha equipamentos de controle de poluição.  "Minha opinião pessoal é que as usinas modernas podem ser melhores, mas não sabemos quanto melhores", disse. "Esses dados não são fortes o suficiente para pedir o fechamentos de todas as usinas de carvão, mas sugere que mais estudos são necessários."

Tudo o que sabemos sobre:
saúdecarvãochina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.