Reprodução
Reprodução

Festa na casa de Elba Ramalho em Trancoso será investigada

Policiais chegaram até a residência em Trancoso, alugada para um empresário, depois de denúncia anônima; festa no local reuniu cerca de 700 pessoas

Fernanda Santana, especial para o Estadão, O Estado de S.Paulo

30 de dezembro de 2020 | 21h36

SALVADOR - A Polícia Civil da Bahia vai investigar a festa que reuniu, em média, 700 pessoas na casa da cantora Elba Ramalho no distrito de Trancoso, no sul da Bahia. O imóvel foi alugado para um empresário. A cantora nega qualquer participação no evento e afirma estar hospedada em um resort, a dez quilômetros de distância do local. 

O responsável pela festa, o empresário Guilherme Souza, era esperado nesta tarde para apresentação legal na Delegacia Territorial de Porto Seguro, município que engloba o distrito de Trancoso. Como o procedimento não ocorreu, a polícia pode colher novas informações sobre o paradeiro de Souza ou intimá-lo, segundo a Secretaria de Segurança Pública da Bahia.

Os policiais chegaram até a residência, que fica fora de condomínio, na Praia dos Nativos, após uma denúncia anônima na noite da última terça, 29. O evento foi encerrado depois da chegada da polícia, por volta das 21h, mas não houve nenhuma apreensão ou prisão. O titular da 23º Coordenadoria disse que a Polícia Civil ouvirá os militares que participaram da ação para apurar como ocorreu a divulgação do evento e se houve venda de ingresso. A desconfiança da polícia é de que a entrada tenha sido paga. Não só a casa estava lotada, como os arredores dela.

A festa ocorreu no mesmo dia em que o Governo da Bahia conseguiu, na Justiça, barrar a liminar que permitia eventos para até 200 pessoas em Porto Seguro e seu entorno. No dia anterior, um juiz plantonista tinha concedido autorização para as festas acontecerem. Desde o dia 26, Trancoso e Caraíva registram aglomerações e festas clandestinas em residências de alto padrão. O Aeroporto de Terravista, que só recebe pequenas aeronaves fretadas, chegou a registrar engarrafamento de aviões.

O empresário afirmou que deixará a residência, depois de ter defendido que a festa seria apenas uma reunião entre amigos que “fugiu do controle", segundo a coluna Alô Alô Bahia, do jornal Correio. Somente na segunda-feira, 28, nove festas ilegais – oito em Trancoso e uma em Caraíva – foram interrompidas pela polícia. O número da noite passada não foi divulgado. Porto Seguro tem, até o momento, 4.392 casos de coronavírus.

No Instagram, a cantora afirmou que está em Trancoso, mas que sua casa está alugada e que faz isso todos os anos. Elba disse não saber da festa e afirmou que, na hora do evento, estava em uma missa.Ao sair, ela contou que parou para conversar com as amigas e comer um sanduíche vegano. "E comecei a receber mil mensagens, comecei a ler as notícias e fui tentando digerir tudo isso que está acontecendo. Verdadeiramente, é chato", desabafou. 

Elba contou que foi até a casa no dia seguinte à festa, mas os inquilinos temporários não estavam lá. A cantora teria levado máscaras aos funcionários do local: "Eu sai e nem conheço direito as pessoas. Sei quem são, mas é um contrato feito através de uma empresa". Ela garantiu que não está realizando eventos. "Eu não sabia da festa, não tenho nada a ver com ela. Eu não tenho ido a festas".

Tudo o que sabemos sobre:
Elba RamalhoTrancoso

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.