Eric Gaillard/Reuters
Eric Gaillard/Reuters

Fila para cirurgias de reconstrução preocupa pacientes

Estimativa é de que pelo menos 20 mil mulheres a serem diagnosticadas com câncer em 2012 precisarão de operação

Fernanda Bassette,

13 de janeiro de 2012 | 22h30

Ao mesmo tempo em que o Ministério da Saúde afirma que o SUS vai trocar as próteses de silicone das marcas PIP e Rofil das mulheres que apresentarem ruptura, centenas de outras mulheres em tratamento contra o câncer de mama estão na fila para fazer a reconstrução das mamas.

Isso tem preocupado entidades como a Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (Femama) e o Instituto Oncoguia, que lidam diretamente com mulheres em tratamento de câncer.

O Instituto Nacional de Câncer (Inca) estima que 52 mil mulheres serão diagnosticadas com câncer de mama em 2012. E a Sociedade Brasileira de Mastologia estima que ao menos 20 mil delas precisarão fazer uma cirurgia de retirada das mamas, sendo que apenas cerca de 10% delas sairão do centro cirúrgico com a mama já reconstruída.

Para Luciana Holtz, psico-oncologista e presidente do Oncoguia, o governo precisa deixar claro como vai organizar as filas das mulheres que precisam fazer mastectomia, das mulheres que precisam fazer a reconstrução e das que possuem próteses da PIP ou Rofil com problemas.

“Nós entendemos que o centro cirúrgico é um só. E existem centenas de mulheres com câncer esperando de três a seis meses só para fazer a mastectomia. Para fazer a reconstrução, demora uns dois anos. Qual a urgência de trocar a prótese dessas outras mulheres? A fila será única ou separada?”, pergunta Luciana.

Para a mastologista Maira Caleffi, o governo está correto em garantir a assistência para as mulheres que tiverem problemas com as próteses PIP ou Rofil, mas ela também frisa que a fila de espera para uma mastectomia e para a reconstrução das mamas ainda é muito grande.

“O SUS poderia fazer as duas cirurgias ao mesmo tempo: a retirada e a reconstrução. Mas, em geral, os centros não fazem isso porque aumentaria o tempo de cirurgia. Nesse tempo, eles poderiam fazer outra cirurgia e tirar uma mulher da fila. E agora, como vai ficar?”, diz Maira.

Fila. O Ministério da Saúde diz que não tem como informar quantas mulheres estão na fila de espera nem quanto tempo está demorando a cirurgia porque o gerenciamento das filas é descentralizado e é feito por cada Estado e município.

A aposentada Loeny Menezes da Rosa, de 61 anos, no entanto, esperou cinco anos na fila para conseguir fazer a cirurgia de reconstrução da mama pelo SUS. Ela descobriu o câncer em 2001 e só conseguiu reconstruir a mama em 2006.

“O médico disse que se eu quisesse colocar silicone na hora eu teria de pagar à parte. Naquela época eu não tinha como pagar, por isso decidi esperar. Entrei na fila de novo e só fui chamada em 2006”, contou Loeny, que só implantou o silicone em uma das mamas - a outra foi reduzida. “Ficou horroroso”, diz.

O mastologista José Luiz Pedrini, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Mastologia, entende que a reconstrução deveria ser feita ao mesmo tempo em que as mamas são retiradas, com exceção dos casos em que há contraindicação - como em mulheres fumantes, com diabete ou doenças cardíacas graves.

“Na maioria dos centros, isso não acontece. A sociedade de mastologia preconiza que a reconstrução seja feita imediatamente e nas duas mamas, mesmo que apenas uma tenha sido retirada. Isso garantiria a simetria das mamas e aumentaria a autoestima dessas mulheres.”

Reconstrução das mamas é prevista desde 1999

A reconstrução das mamas após a cirurgia de mastectomia (retirada das mamas em decorrência do tratamento de um câncer) é um direito das mulheres garantido pelo Ministério da Saúde desde 1999.

A portaria prevê a realização de uma plástica reconstrutiva com implante de uma ou duas próteses de silicone pós-mastectomia. O documento, no entanto, não deixa claro se a mulher teria direito de fazer a reconstrução imediatamente no ato cirúrgico da mastectomia ou não, mas frisa que esse procedimento proporciona um melhor efeito psicológico para a estética da mulher.

A portaria também não estipula prazos para que a reconstrução das mamas seja realizada. Estima-se que as mulheres demorem pelo menos dois anos para conseguir reconstruir as mamas na rede pública.

A Sociedade Brasileira de Mastologia entende que os dois procedimentos deveriam acontecer em um único ato cirúrgico. / F.B.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.