Sebastian Kaulitzki/Shutterstock
Sebastian Kaulitzki/Shutterstock

Filipinas registram primeira morte por coronavírus fora da China

Homem de 45 anos que esteve na cidade chinesa de Wuhan, epicentro do surto, é a vítima, segundo escritório da OMS local

Agências internacionais, O Estado de S.Paulo

02 de fevereiro de 2020 | 00h41

As Filipinas registraram neste domingo, 2, a primeira morte por coronavírus fora da China, fato que acende mais um sinal de alerta para o avanço do surto para outros países.

De acordo com informações do escritório da Organização Mundial da Saúde (OMS) nas Filipinas, a vítima é um homem de 44 anos, que morreu neste sábado, 1º. Ele seria chinês, nativo da cidade de Wuhan, epicentro da crise. É o segundo caso da doença confirmado nas Filipinas.

Até esta confirmação, os 304 óbitos confirmados pelo vírus haviam sido registrados em território chinês, a maioria na província de Hubei, onde o surto começou. 

O número de casos confirmados no mundo também está concentrado na China, mas com tendência de expansão. O país registra 14,3 mil infectados, enquanto as demais nações que notificaram a doença somam 132 casos. O número de países que vêm confirmando infecções pelo novo coronavírus, no entanto, não para de crescer: já são 23.

Diante do aumento do número de casos na China e do crescimento do total de países com infecções confirmadas, a OMS declarou emergência em saúde pública de interesse internacional na quinta-feira, 30. 

Com a decisão, a expectativa é a de que os países reúnam esforços financeiros, científicos e sanitários para barrar a expansão do novo coronavírus. Isso inclui acelerar as pesquisas para a descoberta de vacinas e tratamentos e maior apoio a países com sistemas de saúde mais frágeis.

No Brasil, não há casos confirmados da doença, mas o Ministério da Saúde investiga 16 infecções suspeitas, notificadas por cinco Estados: São Paulo (8), Rio Grande do Sul (4), Santa Catarina (2), Paraná (1) e Ceará (1).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.