Fiocruz decifra genoma do BCG

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) anunciou ontem ter concluído o seqüenciamento completo do genoma da cepa (tipo) brasileira da vacina BCG, usada para imunizar contra a tuberculose e a hanseníase. No curto prazo, serão produzidos kits de validação das vacinas para um maior controle de qualidade na fabricação. Os pesquisadores também poderão aprofundar os estudos para a elaboração de vacinas recombinantes, ou seja, que protegem contra mais de uma doença. Já existe um projeto para combinar a imunização contra tuberculose e tétano e outro para associar leishmaniose à BCG. A coordenadora do estudo, Leila Mendonça de Lima, do Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular do Instituto Oswaldo Cruz, disse que os kits devem estar prontos no laboratório até o final de 2007, mas as vacinas recombinadas só devem estar disponíveis em dez anos. O mapeamento levou três anos e foi feito em parceria com a Fundação Ataulpho de Paiva, entidade privada sem fins lucrativos que produz todas as 20 milhões de doses compradas anualmente pelo Ministério da Saúde. O estudo foi financiado pelas fundações e custou R$ 500 mil. "Caminhamos muito para diminuir nossa dependência externa em medicamentos e vacinas e hoje é um dia para renovarmos o ânimo", disse o presidente da Fiocruz, Paulo Buzz. Segundo a coordenadora Leila, o estudo da Fiocruz deve ser publicado em uma revista científica no ano que vem, depois que a equipe finalizar a análise das mutações sofridas pela variação brasileira do Bacilo de Calmette e Guérin (BCG). Eficácia O BCG é uma atenuação da Mycrobacterium bovis, microorganismo que causa a tuberculose em bois. O M. tuberculosis, também conhecido como Bacilo de Koch, causa a doença em humanos. Ambos têm o genoma mapeado. O grande desafio da ciência é descobrir uma vacina que aumente a imunização contra a tuberculose pulmonar, doença que mata anualmente 5 a 6 mil pessoas no Brasil e 1,9 milhão no mundo. A vacina BCG possui uma eficácia de 85% contra as formas infantis da doença, mas apenas de 40% contra a tuberculose pulmonar. Nenhuma vacina atual contra a doença é eficaz Nenhuma vacina existente hoje se mostrou eficaz em prevenir a tuberculose provocada pela bactéria Mycobacterium tuberculosis, causadora da forma pulmonar em adultos. A BCG, como a usada no Brasil, previne alguns tipos da doença e imuniza especialmente crianças no primeiro ano de vida. Porém, sua eficiência varia de acordo com a cepa da bactéria usada pelo país - certas linhas são mais 'fortes' do que outras. Novas vacinas foram desenvolvidas na última década e algumas passam atualmente por testes clínicos, para atestar seu grau de eficácia e de segurança.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.