Fiocruz deve entrar com pedido de patente para o Tenofovir

Remédio está sendo desenvolvido em parceria com o laboratório público de um outro país

Fabiana Cimieri, de O Estado de S. Paulo,

01 de dezembro de 2008 | 19h18

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) deve entrar com o pedido de patente do anti-retroviral Tenofovir até o final de 2009. O diretor do Instituto de Tecnologia em Fármacos (farmanguinhos), Eduardo Costa, disse que o medicamento está sendo desenvolvido em parceria com o laboratório público de um outro país, mas não adiantou qual.   Veja também: Carla Bruni é nova embaixadora da luta contra a aids Vários países marcam Dia Mundial de Combate à Aids ONG protesta contra julgamento por transmissão de HIV Cai número de crianças infectadas com aids na gestação Pesquisa mostra que câncer avança entre HIV positivos   Em setembro, o Estado antecipou que a droga, cuja patente brasileira foi negada por ter sido considerada de interesse público, começaria ser desenvolvida pelos cientistas brasileiros. O Tenofovir é produzido pela Gilead, que até o momento não recorreu da decisão.   Segundo o Ministério da Saúde, o remédio é usado atualmente por 31,3 mil pessoas, ao custo de US$ 43 milhões. "O Programa Nacional de DST/Aids gasta 80% dos recursos com medicamentos importados, que correspondem a apenas 20% da quantidade utilizada", disse o presidente de Farmanguinhos, Eduardo Costa.   Nesta segunda-feira, 1, no Dia Mundial de Luta contra a Aids, a Fiocruz anunciou que irá iniciar a produção de quatro novas drogas anti-retrovirais. A única que ainda não era produzida no País é o Efavirenz, que teve o licenciamento compulsório decretado em 2007. Os comprimidos, de 600 mg, começarão a ser fornecidos pela fundação ao Ministério da Saúde a partir do primeiro semestre do ano que vem.   Conforme o Estado antecipou, a Fiocruz aguarda apenas a aprovação do registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para dar início à fabricação de uma formulação infantil do anti-retroviral Lamivudina + Zidovudina (30 + 60 mg). A versão infantil da pílula três em um Lamivudina + Zidovudina + Nevirapina está sendo desenvolvida. No primeiro semestre do ano que vem, deve ser dado entrada no pedido de registro da fórmula adulta dessa combinação. Sete mil crianças fazem tratamento com anti-retrovirais.   Kits diagnóstico   A Fiocruz também aproveitou a data desta segunda-feira, 1, para anunciar que tem o domínio completo da tecnologia de produção dos kits rápidos de diagnóstico do HIV. A tecnologia começou a ser transferida pelo laboratório americano Chembio para Biomanguinhos em 2004.   O kit dispensa a infra-estrutural laboratorial e pode ser usado para diagnóstico de aids em locais de difícil acesso, em caso de transmissão vertical (da mãe para o bebê) e em acidentes. O resultado sai em 15 minutos e tem eficácia de 99,7%, mas precisa de exame confirmatório.   O presidente da Fiocruz, Paulo Buss, também informou que a fundação está estudando novas combinações de anti-retrovirais específicas para serem usadas pela população africana. Estudo demonstraram que, em vez de fórmulas com Zidovudina (AZT), os africanos respondem melhor ao tratamento com a estavudina.   Em outubro, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva inaugurou um escritório brasileiro em Moçambique, que irá dar suporte à instalação de uma fábrica de medicamentos do governo moçambicano. O Brasil investiu US$ 8 milhões no projeto. "Temos um débito histórico com os países africanos", disse Buss. Apesar dos avanços no tratamento da Aids, ele enfatizou que o mais importante é a prevenção. "A aids continua sendo uma doença muito grave contaminando milhares de pessoas por dia, apesar do controle que tentamos fazer através da informação", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
aidssaúde

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.