Fiocruz
Fiocruz

Fiocruz é selecionada pela OMS para desenvolver nova vacina contra a covid-19

Atualmente em estágio pré-clínico, ainda não há previsão de quando o imunizante ficará pronto; objetivo é aumentar capacidade de produção e ampliar combate ao coronavírus nas Américas

Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

21 de setembro de 2021 | 18h41

RIO - A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) foi selecionada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para desenvolver e produzir uma nova vacina contra a covid-19. A escolha foi anunciada nesta terça-feira, 21. Ainda não há previsão para que essa nova vacina fique pronta e seja ofertada à população - atualmente ela está em estágio pré-clínico. O imunizante, que será fabricado pelo Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos) da Fiocruz, no Rio de Janeiro, usa tecnologia de RNA mensageiro, diferente da vacina da AstraZeneca, também produzida na instituição e que utiliza adenovírus.

A seleção é resultado de uma chamada mundial lançada em 16 de abril de 2021 para aumentar a capacidade de produção e ampliar o acesso às vacinas contra a covid-19 nas Américas. Cerca de 30 empresas e instituições científicas latino-americanas participaram. O processo de escolha foi feito por um comitê de especialistas independentes. Além da Fiocruz, outra proposta, de uma instituição argentina, também foi selecionada.

Segundo a OMS, Bio-Manguinhos foi escolhido em função de sua longa tradição na produção de vacinas e dos avanços apresentados para o desenvolvimento de uma vacina inovadora de mRNA contra a covid-19. A vacina candidata é baseada na tecnologia de RNA auto-replicativo e expressa não somente a proteína Spike, mas também a proteína N, para melhor resposta imunológica. Essa tecnologia demanda menos necessidades produtivas, atingindo uma escala em termos de doses superior a de outras vacinas de mRNA. Isso permite que o seu custo seja inferior ao de outras vacinas semelhantes, tornando o imunizante mais acessível. A vacina está em fase de estudo pré-clínico.

Como resultado da seleção, a OMS e a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) colocarão à disposição da Fiocruz especialistas internacionais com experiência nos diferentes aspectos de desenvolvimento e produção de vacinas desta natureza. É esperada ainda a cooperação com um consórcio sul-africano também escolhido pela OMS, com o centro argentino e outros produtores de vacinas da região.

Uma vez desenvolvida, a vacina candidata passará pelo processo de pré-qualificação da OMS, que garante o cumprimento dos mais elevados padrões internacionais para garantir sua qualidade, segurança e eficácia. Para assegurar o acesso equitativo, a vacina desenvolvida será oferecida aos Estados-membros e territórios da Opas por meio de seu Fundo Rotatório, que fornece vacinas acessíveis há mais de 40 anos na região. Bio-Manguinhos já dispõe de uma planta suficientemente avançada para a produção da vacina candidata, não sendo necessária a construção de uma nova fábrica.

"Esta será uma tecnologia que vem se somar à plataforma de adenovírus, utilizada na vacina Fiocruz/AstraZeneca para a covid-19. O desenvolvimento de uma vacina da Fiocruz de mRNA é um passo fundamental para que o Brasil detenha o domínio tecnológico de duas plataformas fundamentais para o avanço no desenvolvimento de imunobiológicos. Com esse projeto e o apoio da OMS, estamos reafirmando nosso compromisso com a ciência e a tecnologia a serviço da população", afirmou a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade Lima.

Segundo Nísia, ainda é cedo para falar de datas e cronograma, mas o apoio da OMS será decisivo para que o desenvolvimento dessa vacina ocorra da forma mais rápida possível e dentro dos protocolos de segurança e qualidade mundiais.

Além de fabricar a vacina, a Fiocruz se comprometeu a compartilhar seu conhecimento para a produção do imunizante com outros laboratórios da região, garantindo a eles a transferência de tecnologia para ampliar a capacidade produtiva regional. Esse compromisso faz parte do projeto apresentado à OMS.

"O apoio que Bio-Manguinhos/Fiocruz agora recebe da Opas e da OMS se configura como um reconhecimento de nossa competência e nos permitirá galgar mais um degrau em nossa jornada de desenvolvimento de capacitações científicas e tecnológicas em plataformas de última geração para vacinas humanas. Permitirá ainda contribuirmos mais decisivamente para aumentar a equidade mundial no acesso a vacinas, com potencial para uma verdadeira revolução no desenvolvimento de outras vacinas de interesse para o Sistema Único de Saúde (SUS) e para a saúde pública mundial", disse o diretor de Bio-Manguinhos, Mauricio Zuma.

Para o vice-diretor de Desenvolvimento Tecnológico de Bio-Manguinhos, Sotiris Missailidis, a dedicação da equipe tem sido fundamental para o avanço do projeto. "A equipe de Desenvolvimento Tecnológico tem trabalhado por anos, incansavelmente, com dedicação e profissionalismo, buscando alcançar um nível de excelência no desenvolvimento de novos produtos que atendam aos desafios da saúde pública", declarou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.