Yves Herman/Reuters
Yves Herman/Reuters

Fiocruz entrega mais vacinas, mas interrompe produção por falta de insumo

A chegada do IFA, vindo da China, está prevista para sábado, 22; produção da vacina deve ser retomada na terça-feira, 25

Redação, O Estado de S.Paulo

20 de maio de 2021 | 16h00

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) prevê entregar nesta sexta-feira, 21, ao Ministério da Saúde  cerca de 5,3 milhões de doses da vacina contra a covid-19 desenvolvida pela farmacêutica AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford. Mas, a partir desta quinta-feira, 20, e pelo menos até a próxima segunda-feira, 24, a produção do imunizante será interrompida por falta do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA). A chegada desse componente, vindo da China, está prevista para sábado, 22, e se a data se cumprir, a produção da vacina deve ser retomada na terça-feira, 25.

Para Entender

Como funciona a vacina Oxford-AstraZeneca

Depois que a vacina é injetada, adenovírus colidem com células e se fixam em proteínas na superfície delas; a célula envolve o vírus em uma bolha e o puxa para dentro; uma vez lá dentro, o adenovírus escapa da bolha e viaja para o núcleo

Por enquanto não há previsão de que essa interrupção na produção tenha impacto no cronograma de entregas futuras. As entregas são feitas toda sexta-feira, conforme pactuado com o Ministério da Saúde, seguindo a logística de distribuição definida pela pasta. “Caso haja impacto, isso será avaliado e comunicado mais à frente”, afirma nota da Fiocruz.

Com as doses a serem entregues nesta sexta-feira, o total de imunizantes distribuídos pela Fiocruz chegará a 40,2 milhões, sendo 36,2 milhões produzidas no Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos/Fiocruz) e 4 milhões importadas prontas da Índia. Ao todo, a Fiocruz já produziu em torno de 50 milhões de doses do imunizante. As demais doses produzidas se encontram em diferentes etapas do processo de controle de qualidade.

Tudo o que sabemos sobre:
coronavírusFiocruzChina [Ásia]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.