Robin Van Lonkhuijsen/ EFE
Robin Van Lonkhuijsen/ EFE

Firjan vai realizar teste rápido de coronavírus em 556 mil trabalhadores da indústria fluminense

Objetivo é agilizar o diagnóstico de doença e contribuir para evitar a propagação do coronavírus no Estado do Rio

Mariana Durão, O Estado de S.Paulo

04 de abril de 2020 | 23h06

RIO - A Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) lançou o programa Testes Covid-19, para promover testes em massa nos 556 mil trabalhadores da indústria fluminense.  O objetivo é agilizar o diagnóstico de doença e contribuir para evitar a propagação do coronavírus no Estado do Rio. A iniciativa terá capacidade de processar até 2.248 testes por dia e entregar os resultados em 24 horas. 

“Neste momento difícil que o mundo todo está enfrentando, precisamos nos unir. É uma obrigação moral ajudar a sociedade no combate à covid-19. Com essa iniciativa, os industriais do Rio, por meio da Firjan, garantem a proteção dos trabalhadores e ajudam as empresas fluminenses a retomarem suas atividades em segurança”, afirma o presidente da Firjan, Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira.

Os testes serão oferecidos gratuitamente pela Firjan SESI para pequenas indústrias, e a preço de custo para as grandes. O programa está sendo iniciado em abril e deve ser estender até setembro. As coletas vão começar pela cidade do Rio de Janeiro, onde há mais casos de covid-19, seguindo depois para a Região Metropolitana e atingindo todo o estado.

O Centro de Inovação SESI Higiene Ocupacional (CIS HO) fará a análise do material, em parceria com a UFRJ. A metodologia usada será a do padrão-ouro para diagnóstico, com coleta de secreções do nariz e garganta com o auxílio de hastes flexíveis para detecção do material genético do vírus. 

Segundo o pesquisador chefe do centro de inovação, Antonio Augusto Fidalgo Neto, a metodologia pode detectar a presença do vírus antes do surgimento dos sintomas da covid-19.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.