Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Formulador de estratégia contra covid, Wanderson de Oliveira deixará Ministério da Saúde

Secretário nacional de Vigilância em Saúde sairá do cargo nesta segunda-feira; ele já havia pedido demissão em abril, durante a gestão do ex-ministro Mandetta

Sandra Manfrini, O Estado de S.Paulo

24 de maio de 2020 | 10h37

O enfermeiro epidemiologista Wanderson de Oliveira deixará o cargo de secretário nacional de Vigilância em Saúde nesta segunda-feira, 25. A saída foi confirmada em um e-mail enviado a servidores do Ministério da Saúde, no qual diz que continuará “ajudando ao ministro (interino Eduardo) Pazuello nas ações de resposta à pandemia”. “Somos da mesma instituição, Ministério da Defesa, e conosco é missão dada, missão cumprida.”

Oliveira havia pedido demissão do cargo em 15 de abril, mas permaneceu na função a pedido de Luiz Henrique Mandetta. Segundo diz no e-mail, ele decidiu permanecer no cargo “por mais algumas semanas” a pedido do ex-ministro da Saúde. “Ainda na gestão do (então) ministro (Nelson) Teich, acordamos que após minhas férias, no dia 20/05, iríamos definir a data de saída.”

A nova data de saída foi acordada na quarta-feira, 20, com o ministro interino Pazuello. Em abril, disse a colegas que indicou a seu cargo, interinamente, Gerson Pereira, atual diretor do Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis, mas ainda não há substituto oficialmente designado para o cargo. “Estarei sempre a disposição da SUS”, despediu-se no e-mail a servidores.

Oliveira era presença constante nas entrevistas diárias em que o ministério apresenta o balanços sobre os casos do novo coronavírus no País. É apontado como um dos principais mentores da estratégia de combate à covid-19 no governo federal. 

Em abril, afirmou que a proposta de isolar só as pessoas dos grupos de risco somente seria viável se não houvesse déficit de leitos e equipamentos no sistema de saúde. "O único instrumento de controle existente, possível e disponível é o distanciamento social", declarou na ocasião.

Oliveira está no cargo de secretário nacional de Vigilância em Saúde desde janeiro de 2019, embora tenha 16 anos de Ministério da Saúde. Doutor e mestre em Epidemiologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), é servidor do Hospital das Forças Armadas (desde 2009) e professor da Escola Fiocruz de Governo, da Fundação Oswaldo Cruz. Ele atuou no combate a diferentes epidemias, como da covid-19, da Influenza e do zika vírus. 

O Brasil tem 22.013 mortes e 347.398 casos confirmados do novo coronavírus, segundo balanço de sábado, 23, do Ministério da Saúde./COLABOROU PRISCILA MENGUE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.