TIAGO QUEIROZ / ESTADÃO - 26/04/2022
TIAGO QUEIROZ / ESTADÃO - 26/04/2022

Fórum Estadão Think debate prevenção a bronquiolite e pneumonia

Vírus sincicial respiratório atinge brônquios e pulmões; especialistas esclarecem dúvidas sobre transmissão, sintomas e medidas de precaução

Redação, O Estado de S.Paulo

13 de maio de 2022 | 05h00

SÃO PAULO - No outono e no inverno, os hospitais observam um aumento na quantidade de crianças internadas - principalmente menores de dois anos - em razão do vírus sincicial respiratório (VSR). Pertencente ao gênero Pneumovirus, o VSR é um dos principais agentes da infecção aguda nas vias respiratórias. O vírus atinge brônquios e pulmões, ocasionando doenças como bronquiolite e pneumonia.

No entanto, o fato de as famílias terem ficado isoladas nas suas casas em 2020 e 2021 - em razão da pandemia do novo coronavírus - reduziu a quantidade de crianças que tiveram contato com o VSR, o que fez os casos se acumularem mais cedo neste ano

Na próxima quarta-feira, 18, o Fórum Estadão Think apresenta o evento "A bronquiolite e a pneumonia podem atacar até dentro de casa - evite que seu guerreiro tenha que lutar contra o VSR", patrocinado pela AstraZeneca. Além de especialistas que vão abordar sinais e sintomas, prevenção e riscos de agravamento, famílias que enfrentaram a doença também vão compartilhar suas histórias. 

Em crianças com até dois anos de idade, o vírus é responsável por cerca de 75% dos casos de bronquiolite e 20% das ocorrências de pneumonia.

Não há vacinação contra o VSR. Somente no caso das crianças prematuras nascidas com até 28 semanas de gestação ou com fator de risco como bebês com displasia broncopulmonar e cardiopatias congênitas, um programa do Ministério da Saúde disponibiliza o palivizumabe, anticorpo específico contra o vírus sincicial, aplicado uma vez por mês durante cinco meses, antes do período de maior circulação do vírus, para evitar formas graves da doença.

Desta forma, a principal ferramenta para se evitar o contágio é por meio da prevenção. Entre as medidas estão: evitar ambientes pouco ventilados e com aglomerações, manter cuidados básicos de higiene e evitar o contato das crianças com adultos com sinais da doença.

Em caso de sintomas, é importante procurar atendimento médico. Somente o profissional de saúde pode confirmar a doença e prescrever o tratamento correto.

Durante o diagnóstico, o médico leva em conta o quadro clínico do paciente, assim como a necessidade de realizar exames de sangue e coletar secreções do nariz e da garganta, por exemplo, para identificar a presença do vírus. Também pode ser solicitada a realização de uma radiografia do tórax.

Para esclarecer dúvidas sobre sinais e sintomas, além de formas preventivas para que as famílias evitem a doença, o evento realizado pelo Fórum Estadão Think conta com a participação de médicos especialistas e influenciadores que discutem e orientam sobre o tema.

As vagas presenciais para acompanhar o evento no Unibes Cultural (Rua Oscar Freire, 2.500, Sumaré) são limitadas. Também é possível acompanhar o evento de forma online clicando aqui

Para interagir com os palestrantes, acesse este link e mande suas perguntas.

Sintomas da bronquiolite:

  • Secreção nasal
  • Espirros
  • Tosse seca
  • Febre baixa
  • Dor de garganta
  • Dor de cabeça
  • Chiado no peito
  • Dificuldade ao respirar

Sintomas da pneumonia:

  • Tosse
  • Fraqueza
  • Febre alta
  • Dor no peito
  • Náusea
  • Alterações da pressão arterial
  • Muco amarelado ou esverdeado
  • Sudorese intensa
  • Falta de ar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.