Reuters
Reuters

França retira do mercado silicone usado por 30 mil mulheres

Autoridades dizem que prótese pode arrebentar com maior frequência que os demais tipos

Efe

31 de março de 2010 | 14h28

As autoridades francesas retiraram do mercado implantes mamários considerados defeituosos e convocaram cerca de 30 mil mulheres que os utilizam, no país e no exterior, para exames médicos.

 

Veja também:

linkConselho de Medicina do RS vai investigar morte em cirurgia plástica  

 

O jornal Le Parisien informou que a Promotoria de Marselha abriu no último dia 23 uma investigação preliminar contra um suposto culpado cujo nome não foi divulgado por "engano" e "colocação da vida alheia em perigo" em relação com os riscos dos implantes da Poly Implant Prothese (PIP), que podem arrebentar com maior frequência que os demais.

 

Segundo o periódico, o gel de silicone utilizado pela empresa, localizada na região de Toulon, no sul da França, não tinha sido autorizado pelas autoridades francesas, o que foi descoberto após uma inspeção.

 

A PIP, empresa criada em 1991, era o quarto fabricante mundial de implantes mamários e atravessava dificuldades financeiras há vários meses, uma situação que se agravou com este escândalo e que lhe levou à liquidação judicial, anunciada na terça-feira pelo Tribunal de Comércio de Toulon.

 

A Agência de Segurança Sanitária de Produtos de Saúde da França (AFSSAPS) lançou um alerta em toda Europa e nos Estados Unidos para advertir sobre os possíveis riscos dos implantes e aconselha consultas com o cirurgião para exames perante o risco de rompimento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.