Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Francieli Fantinato pede para deixar o comando do Programa Nacional de Imunizações

Responsável pelo programa de vacinação contra a covid-19 do Ministério da Saúde, ela deve participar de acareação na CPI; plano brasileiro enfrenta gargalos desde o início da pandemia

Eduardo Rodrigues e Lorenna Rodrigues, O Estado de S.Paulo

30 de junho de 2021 | 12h57
Atualizado 01 de julho de 2021 | 14h26

BRASÍLIA - Investigada pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Senado sobre a pandemia de covid-19, a coordenadora do Programa Nacional de Imunizações (PNI) do Ministério da Saúde, Francieli Fantinato, pediu exoneração do cargo. Segundo apurou o Estadão/Broadcast, a exoneração foi apresentada por Francieli, mas ainda não foi oficializada. Desde o início da campanha de vacinação no Brasil, o Ministério da Saúde tem enfrentado críticas por causa da insuficiência de doses e a dificuldade de estabelecer critérios de prioridade

Francieli teve a quebra de seu sigilo telefônico e telemático mantida pelo Supremo Tribunal Federal (STF), em decisão do ministro Alexandre de Moraes. A pedido do senador Otto Alencar (PSD-BA), a CPI também aprovou a realização de uma acareação entre Francieli e a médica Luana Araújo, que chegou a ser anunciada como secretária extraordinária de Enfrentamento à Covid-19, mas não foi nomeada. A data para a acareação, no entanto, segue em aberto.

Segundo o Broadcast/Estadão apurou, Francieli teria pedido exoneração por conta da pressão criada pela investigação na CPI e a exposição advinda da acareação marcada.  Servidora de carreira, ela é tecnologista do Ministério da Saúde desde 2015 e ocupa o cargo de coordenadora do PNI desde outubro de 2019.

De acordo com fontes da pasta, como é servidora, Francieli deve continuar lotada na divisão responsável pela vacinação contra o novo coronavírus. Como coordenadora do PNI, ela era responsável por decidir grupos prioritários de vacinação e assinar notas técnicas sobre a compra de vacina.

A acareação foi marcada após Francieli editar nota técnica recomendando a aplicação de uma segunda dose, com qualquer vacina disponível, em gestantes que tomaram a primeira dose de Astrazeneca. A nota contraria recomendação anterior de Luana Araújo.

A exoneração da servidora ainda não foi publicada pelo Ministério da Saúde. Ela ocupa o cargo de coordenadora do PNI desde outubro de 2019.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.