Fumante passivo corre risco de alteração de atividade genética, diz estudo

Fumaça atinge genes que transportam células respiratórias, o que aumenta chance de enfisema e câncer

Agência Estado

23 de agosto de 2010 | 17h50

SÃO PAULO - Cientistas da Universidade Médica Weill Cornell, em Nova York, afirmam em estudo que os fumantes passivos têm alto risco de desenvolver doenças pulmonares porque a fumaça dos cigarros pode alterar sua atividade genética.

A fumaça atingiria os genes que transportam as células das vias respiratórias, o que aumentaria a possibilidade de surgimento de enfisema ou câncer de pulmão.

Os pesquisadores chegaram a essa conclusão após examinar 25 mil genes de células das vias respiratórias de 121 voluntários. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.