Funasa prepara vacinação em aldeias indígenas

A Fundação Nacional de Saúde (Funasa) estão mobilizadas para o Mês de Vacinação dos Povos Indígenas. Foram distribuídas, no total, mais de 286 mil doses de vacinas nas aldeias, que ajudarão a prevenir diversas doenças, como hepatite, coqueluche, sarampo e gripe. A campanha ocorre simultaneamente em 21 Distritos Sanitários Especiais Indígenas (Dseis), localizados em 12 estados. O lançamento oficial do Mês de Vacinação dos Povos Indígenas aconteceu no dia último dia 24, na aldeia de Pirajuí, no município de Paranhos, no Mato Grosso do Sul. No país, serão imunizados cerca de 37 mil indígenas. Crianças com até quatro anos de idade, mulheres em idade fértil ou gestantes e idosos têm prioridade. A campanha termina no dia 26 de maio. O local escolhido para o lançamento do Mês de Vacinação dos Povos Indígenas traduz bem o sentido da campanha de vacinação, que ocorre ao mesmo tempo em vários países da América Latina. Paranhos é uma área de fronteira entre o Brasil e o Paraguai. Os moradores da aldeia se mostraram orgulhosos com a escolha. As crianças gostaram da presença do Zé Gotinha, símbolo nacional das campanhas de vacinação. O diretor-executivo da Funasa, Danilo Forte, destacou, durante o lançamento da campanha, que a Funasa está presente em todas as aldeias do Brasil e que contribui, com suas ações de saúde e saneamento básico, para a melhoria da qualidade de vida dos índios brasileiros. "Nós sabemos e temos consciência que a sociedade brasileira tem uma dívida de 500 anos com a comunidade indígena. É impossível resgatá-la em apenas dois, três anos de governo, mas muito foi feito no governo do presidente Lula pelo resgate da cidadania e da inclusão social dessa comunidade" Durante a campanha, haverá a aplicação de doses do calendário básico de vacinação indígena como poliomelite, tetravalente, hepatite B, tríplice viral, dupla adulto, BCG, pneumococos 23, varicela, febre amarela e influenza, além de rotavírus e pentavalente (que previne contra o tétano, difteria, coqueluche, hib e hepatite B).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.