Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Funcionários da Santa Casa exigem saída definitiva de provedor

O grupo que organizou o protesto quer mais diálogo com a mesa administrativa e exoneração de Kalil Rocha Abdalla

Fernando Arbex, O Estado de S. Paulo

28 Janeiro 2015 | 12h43

SÃO PAULO - Cerca de 200 funcionários da Santa Casa de São Paulo protestaram na sede do hospital na manhã desta quarta-feira, 28, reivindicando que exista mais diálogo com a mesa administrativa, além da saída em definitivo do provedor Kalil Rocha Abdalla, que em dezembro pediu licença de 90 dias de suas atividades. Segundo o movimento Santa Casa Viva, formado em sua maioria por membros da equipe médica, a entidade sofre de falta de credibilidade e precisa se modernizar. O grupo aponta o distanciamento entre corpo diretivo e integrantes da área técnica como uma das causas da crise.  

"Esperamos um posicionamento da mesa administrativa e da provedoria. É preciso criar mecanismos para que a Santa Casa tenha uma gestão moderna. Nós exigimos respeito, transparência e credibilidade", afirmou um médico que preferiu não se identificar. Ele alega que o movimento não quer assumir um líder para evitar represálias. 

A crise da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo eclodiu em julho de 2014, quando foi anunciado que o pronto-socorro do hospital não teria mais condições de funcionar. Os problemas financeiros da entidade foram a razão do atraso do pagamento do 13º. Em dezembro, o governo do Estado de São Paulo repassou R$ 3 milhões como medida emergencial em socorro à Santa Casa.

Procurada pela reportagem, a Santa Casa de São Paulo preferiu não se pronunciar sobre o protesto. 

Mais conteúdo sobre:
Santa Casa

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.