Tiago Queiroz
Tiago Queiroz

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Funcionários da Unimed Paulistana fazem ato contra ANS

Profissionais criticam determinação para transferência de beneficiários para outras operadoras; agência diz que recebeu grupo

Paula Felix e Tiago Queiroz, O Estado de S. Paulo

29 de setembro de 2015 | 15h44

SÃO PAULO - Funcionários da Unimed Paulistana fizeram um ato nesta terça-feira, 29, contra a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) por causa da determinação para que a operadora de saúde transfira seus 744 mil beneficiários para outros planos.

A medida foi anunciada pela agência no dia 2 deste mês e levou em consideração problemas econômico-financeiros, além de “anormalidades assistenciais e administrativas graves”. A ANS afirmou que desde 2009 acompanha a situação da operadora por meio de monitoramento feito por agentes nomeados pela agência. O prazo para a realização do processo de transição termina na próxima sexta, 2.

O coordenador administrativo Onildo Rodrigues, de 54 anos, conta que trabalha para o Sistema Unimed há mais de 15 anos e que a manifestação teve como objetivo mostrar à agência a preocupação dos profissionais em relação ao futuro da operadora.

Ele diz que o ato começou por volta das 11 horas na sede da operadora, na Avenida Angélica, região central de São Paulo, e que o grupo formado por cerca de 1.700 pessoas se dirigiu para o prédio da ANS na Rua Bela Cintra.

"O salário está em dia e ninguém recebeu o aviso-prévio, mas os funcionários estão preocupados. É simples determinar a alienação, mas nós ficamos esquecidos. Somos 3.380 funcionários diretos e 2.400 médicos cooperados. Contando os familiares e pessoas ligadas a todos, são cerca de 83 mil pessoas dependentes das atividades da Unimed Paulistana."

Rodrigues diz que a nova gestão, que entrou em abril, não teve tempo de contornar a situação da operadora antes de a ANS determinar a transferência da carteira dos clientes.

Em nota, a ANS informou que atendeu uma comissão de funcionários e recebeu suas reivindicações. "A gestão da operadora é responsabilidade de seus administradores e que todas as obrigações trabalhistas devem ser garantidas pela empresa e seu patrimônio", informou.

Por meio da assessoria, a Unimed Paulistana disse que nenhum funcionário foi desligado e que "tem honrado os direitos trabalhistas".

Tudo o que sabemos sobre:
Unimed PaulistanaANS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.