Marcio Fernandes/AE
Marcio Fernandes/AE

Garotas superestimam vacina contra HPV e deixam de praticar sexo seguro

De acordo com estudo, jovens vacinadas com o objetivo de prevenir o câncer do colo do útero pensam que estão protegidas contra todas as doenças sexualmente transmissíveis

Reuters ,

03 de janeiro de 2012 | 18h29

Um número grande de adolescentes que tomaram a vacina contra HPV (papilomavírus humano), com o objetivo de prevenir o câncer do colo do útero, pensam erroneamente que já não precisam praticar sexo seguro, diz um novo estudo realizado por pesquisadores dos Estados Unidos. Publicado na revista 'Archives of Pediatric & Adolescent Medicine' (Arquivos da Medicina Pediátrica e Adolescente, em tradução literal), o texto sugere que a educação sobre vacinas e suas limitações seja revista pelos médicos e órgãos de saúde para que haja mais orientação para as garotas e suas mães.

As imunizações Gardasil, da Merck, e Cervarix, da GlaxoSmithKline, protegem contra cepas do papilomavírus humano, ou HPV, que causam câncer do colo do útero. A Gardasil também oferece proteção contra alguns tipos de vírus que causam verrugas genitais. No entanto, elas só servem enquanto prevenção e não tratamento para os vírus já existentes. E o mais importante: nenhuma delas pode evitar doenças sexualmente transmissíveis, como a sífilis, a gonorreia e o HIV.

De acordo com os pesquisadores, a maioria das garotas vacinadas estão conscientes das limitações, porém as vacinas também são recomendadas para jovens com idade entre 11 a 12 anos - o que aumentaria as chances de superestimação e possível risco de doenças sexualmente transmissíveis.

Junto de sua equipe, o estudioso Tanya Kowalczyk Mullins, do Centro Médico do Hospital Infantil de Cincinnati, estudou 339 meninas com idade entre 13 a 21 anos que, em sua maioria, disseram ser importante a prática do sexo seguro, mesmo após receber a injeção. Entretanto, cerca de 23,6% das garotas acreditava correr menos risco de contrair doenças depois da vacinação.

O HPV é a transmissão sexual mais comum nos Estados Unidos. Estima-se que mais da metade dos adultos estarão expostos ao vírus em algum momento de suas vidas.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.