Garoto de dois anos é tratado com Viagra na Grã-Bretanha

Remédio que facilita ereção em homens adultos é usado contra hipertensão pulmonar.

Da BBC Brasil, BBC

12 de março de 2008 | 08h35

Um menino de dois anos de idade com uma doença rara mas potencialmente fatal está sendo tratado na Grã-Bretanha com doses regulares de Viagra. O caso, noticiado nesta quarta-feira pela imprensa britânica, é de um garoto de Hucclecote, no sudoeste da Inglaterra, que tem problema crônico de pressão pulmonar alta e toma Viagra para ajudar a melhorar a circulação. É um efeito semelhante ao que o medicamento exerce nos órgãos sexuais de pacientes mais velhos. Normalmente usado por homens com problemas de ereção, o Viagra faz com que os vasos sangüíneos se expandam, melhorando a circulação. Segundo o Daily Telegraph, Oliver Sherwood toma quatro doses por dia para manter controlada a sua hipertensão pulmonar. "Oliver não pode dar mais que poucos passos sem ficar perder o fôlego, e uma simples infecção no peito pode matá-lo", relata o jornal. "Apenas 4 mil pessoas na Grã-Bretanha têm esta condição e a taxa de sobreviência da maioria dos pacientes é de cerca de cinco anos." Dose controlada A história foi parar nos tablóides. "Quando escolhemos esta droga, brincamos que ela seria como um Natal antecipado para a maioria das pessoas", disse ao Daily Mail a mãe de Oliver, a enfermeira Sarah Sherwood. "Obviamente a dose não é alta o suficiente para ter o efeito que teria em adultos." Hipertensão pulmonar sobrecarrega o coração e reduz os níveis de oxigênio no sangue, causando falta de ar e exaustão. Entre os sintomas, a reportagem cita "tosse severa e dificuldade para respirar, na medida em que o sangue enche os pulmões, sangramento constante do nariz, tontura e dores no peito". Para garantir a continuidade do tratamento pelo sistema público de saúde da Grã-Bretanha, inclusive com a oferta de medicamentos mais caros, Sarah Sherwood começou a buscar adesões para um abaixo-assinado. O órgão supervisor do serviço de saúde britânico, National Institute of Clinical Excellence (Nice, na sigla em inglês), está fazendo uma revisão do tratamento de Oliver para analisar os custos. "Se você pode prologar a vida de alguém, custo não deveria ser um fator. Temos de nos levantar e lutar contra isso. Quero que o maior número de pessoas assine esta petição", disse Sarah ao jornal britânico local Western Daily Press. "A única esperança que temos é que ele (Oliver) continue o tratamento com medicamentos, mas se alguma coisa acontecer, no futuro essa esperança pode ser retirada."   BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.