Gel anti-aids para mulher é seguro mas ineficiente, diz estudo

Os testes com o Carraguard começaram em março de 2004 e envolveram 6.202 mulheres da África do Sul

AP, REUTERS

18 de fevereiro de 2008 | 12h28

Um creme desenvolvido para proteger as mulheres contra o vírus da aids não evitou a contaminação, mas se mostrou seguro, o que alimenta esperanças de que possa ser combinado com outros remédios e substâncias a fim de aumentar sua eficiência, disseram pesquisadores na segunda-feira. O produto, chamado Carraguard, é o primeiro creme anti-HIV a passar por estágios de teste avançados em mulheres e a se mostrar seguro. "Ficamos desapontados com o fato de esse teste não ter mostrado que o Carraguard seja eficiente; apesar disso, o fato de termos completado esse estágio de teste significa um avanço importante nas pesquisas sobre a prevenção da aids", disse Peter Donaldson, presidente do Conselho Populacional, entidade que patrocinou o estudo. "O teste contribuiu de forma significativa para o corpo de dados sobre o desenvolvimento de produtos, sobre o planejamento de testes e sobre a disposição das mulheres e de seus parceiros em utilizarem um gel de maneira continuada." Os microbicidas são produtos que, na forma de gel ou creme, poderiam ser aplicados na vagina ou no ânus a fim de evitar a transmissão do vírus da aids. Até agora, as tentativas de desenvolver uma substância do tipo fracassaram. Os testes com o Carraguard começaram em março de 2004 e envolveram 6.202 mulheres da África do Sul. Metade delas utilizou o Carraguard, um gel inodoro e insípido. A outra metade, usou um placebo. Todas as mulheres receberam aconselhamento sobre como evitar o HIV e foram munidas de preservativos. Após três anos, 134 mulheres que usavam o Carraguard foram contaminadas. No grupo das que receberam o placebo, houve 151 novos casos da doença. Essa diferença, do ponto de vista estatístico, é irrelevante, afirmaram os pesquisadores. Além disso, o estudo foi prejudicado pela baixa adesão - muitas das mulheres abandonaram o estudo, e apenas 10% delas disseram ter usao do produto da forma indicada. Os cientistas estão analisando os números par aver se esses fatores podem ter influenciado no resultado. Mas o Carraguard, de outro lado, não aumentou as chances de contaminação. Os outros dois microbicidas em fase final de testes acabaram por tornar as mulheres mais vulneráveis ao vírus da aids - um espermicida chamado nonoxynol-9 e um produto conhecido por Ushercell. Na África do Sul, 18% da população possuem o HIV. As mulheres respondem por 55% desse grupo, e a maior parte delas adquiriu o vírus em relações sexuais mantidas com homens. Os especialistas acreditam que as mulheres precisam de um produto capaz de protegê-las, porque os homens recusam-se a usar preservativos. Entre os outros microbicidas desenvolvidos atualmente contam-se gel tenofovir, um gel chamado PRO 2000/5 e o remédio maraviroc. (Por Maggie Fox)

Tudo o que sabemos sobre:
AIDSGELMULHER

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.