Gel experimental protege macacas contra o vírus da aids

Produto forneceu proteção total aos 21 animais testados durante 2 semanas de aplicação diária

Reuters

06 Janeiro 2011 | 21h24

WASHINGTON - Um gel experimental protegeu macacas do vírus da aids em um exame criado para simular a transmissão sexual humana, informaram pesquisadores na última quarta-feira.

O gel, que usa um medicamento antiaids juntamente com um composto de zinco, protegeu todos os 21 animais da infecção pela versão símia do HIV, o SIV, relataram os autores do estudo na revista PLoS ONE.

O produto forneceu "uma proteção total por 24 horas durante as duas semanas de aplicação diária", escreveram. O gel tem uma pequena quantidade de droga ativa e, portanto, pode ser seguro e barato, informou o Conselho Populacional de Nova York (EUA), que liderou o estudo.

O trabalho une-se a vários experimentos que começam a mostrar progressos na prevenção da aids, um vírus fatal e incurável que infecta 33 milhões de pessoas no mundo e já matou 25 milhões.

Melissa Robbiani, do conselho, que trabalhou com o Instituto Nacional de Câncer e outros laboratórios para testar o gel, aguarda para aplicar o produto em mulheres.

Em julho, pesquisadores surpreenderam especialistas em aids ao descobrir um gel similar, utilizando o medicamento tenofovir, da farmacêutica Gilead Sciences, que reduziu a infecção por HIV em 39% das mulheres durante dois anos e meio.

Grupos sem fins lucrativos têm avançado em direção ao desenvolvimento do gel, e agência de vigilância sanitária do país, Food and Drug Administration (FDA), já deu sua liberação.

"É como um efeito dominó positivo", disse Bethany Young Holt, diretora da União de Inovações para Multipropostas Avançadas (grupo de pesquisas de saúde e defesa das mulheres) e especialista em microbicidas - géis, cremes e outros produtos que protegem as pessoas contra infecções.

Mais conteúdo sobre:
gel antiaidsmacacosPlos ONE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.