Bruno Alencastro
Bruno Alencastro
Conteúdo Patrocinado

Genes únicos, múltiplos e exoma: conheça a diferença entre os testes genéticos

O médico escolhe o tipo de exame mais indicado para cada caso a partir das informações clínicas de cada paciente e dos conhecimentos gerais sobre a doença investigada

Dasa, Media Lab Estadão
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

07 de novembro de 2019 | 14h14

A genômica mudou muito desde a conclusão do mapeamento do genoma humano, em 2003. Esse importante avanço permitiu conhecer o DNA e desenvolver diversos testes genéticos capazes de identificar mutações - que podem significar o diagnóstico de determinadas doenças ou a predisposição para muitas outras, por exemplo.

Mas o número de doenças genéticas é muito alto e nem todas já foram descritas mais detalhadamente pela ciência. “Algumas são bem conhecidas, as mutações já estão bastante claras, mas há outras que ainda não foram tão bem mapeadas e exigem um olhar mais holístico”, afirma Emerson Gasparetto, vice-presidente da área médica da Dasa, maior empresa de medicina diagnóstica da América Latina.

Com tantas variedades e especificidades, nem sempre é fácil saber qual exame genético pode ajudar determinado paciente. “Os geneticistas sabem sempre, mas temos menos de 300 geneticistas no Brasil. Os médicos em geral têm muita dificuldade e é natural que seja assim porque é muito complexo”, explica Gasparetto.

Para ajudar nesse processo, a Dasa desenvolve um amplo trabalho de apoio ao médico prescritor. Os especialistas auxiliam antes do teste, para definir qual deles deve ser solicitado, e também depois do exame já realizado, colaborando para a interpretação dos resultados e para estabelecer de que forma discutir as conclusões com o paciente.

Os exames genéticos podem ser divididos em três grandes tipos: teste de gene único, teste de genes múltiplos e exoma. Entenda a diferença entre eles e quais as principais indicações:

  • Teste de gene único

Analisa somente um gene. É indicado para os casos em que há convicção do que está sendo pesquisado. “Quando o paciente tem todos os sintomas de fibrose cística, a gente recomenda um teste do gene específico dessa doença”, exemplifica afirma Gustavo Campana, diretor médico da Dasa.

Outra situação é para investigar o câncer de mama: quando há histórico familiar desse tipo de tumor, realiza-se o teste de BRCA, mutação que predispõe a doença.

Entre os exames genéticos, esse é o mais simples e rápido de ser realizado - e, portanto, também o de menor custo. Mas ainda há poucas doenças (algo em torno de 30, segundo o diretor médico), que são suficientemente conhecidas pela ciência e podem ser diagnosticadas com esse tipo de avaliação.

  • Testes de genes múltiplos

Nesse tipo de teste, vários genes são avaliados - o número varia de dois a 100, de acordo com Campana. É indicado, portanto, para confirmar doenças que têm mais de um gene associado.

Uma das aplicações é na investigação de casos de câncer na mesma família. “Por exemplo: o avô teve um tipo de tumor, a mãe teve outro e o filho teve ainda outro tumor. É um histórico, mas não sabemos de qual gene. É necessário realizar um painel de câncer familiar, porque são muitos genes envolvidos”, explica o diretor médico da Dasa.

  • Exoma

Trata-se do exame mais completo, que analisa de 5 mil a 22 mil genes. Normalmente, é necessário quando não há suspeita alguma de qual seja a doença do paciente.

“É comum o médico pedir um exoma quando ele está diante de uma criança que tem uma síndrome por alteração genética evidente, mas o profissional não conhece essa síndrome, ela não foi descrita antes ou raramente foi descrita, e não se sabe quais são os sintomas associados àquela condição”, afirma Campana.

Por ser o exame mais amplo, é também o mais caro e que demanda mais tempo para ficar pronto.

Tudo o que sabemos sobre:
genéticaGenoma

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.