Genoma da maça é desvendado por cientistas

Geneticistas do mundo inteiro levaram dois anos para completar pesquisa

BBC

31 de agosto de 2010 | 13h03

Uma equipe de 86 cientistas do mundo inteiro sequenciaram o genoma da maçã tipo 'Golden Delicious', pela primeira vez.

 

A descoberta do DNA pode resultar em variedades de maçãs novas e melhoradas, que serão mais resistentes a doenças.

 

Os cientistas de 20 instituições levaram dois anos para decifrar o código - o genoma vegetal revelado até agora.

 

Os resultados foram publicados no periódico Nature Genetics.

 

Vantagem competitiva

 

O professor Riccardo Velasco da Mach Edmund Foundation, na Itália, que liderou a equipe de investigação, disse que o sequenciamento do genoma "teria implicações enormes para a reprodução aplicada".

 

"Esta descoberta vai nos ajudar a desenvolver características de alta qualidade e trazer coisas novas para o mercado da maçã", disse ele à BBC News.

 

Kate Evans do Centro de Extensão e Pesquisa em Árvores e Frutas da Washington State University disse que a descoberta ajudaria a "produção sustentável a longo prazo" de maçãs.

 

Os cientistas esperam melhorias para a popular variedade Golden Delicious - que se originou em West Virginia, EUA, mais de um século atrás - poderia aprimorar o sabor, aparência e crocância do fruto.

 

Os investigadores foram também capazes de rastrear a ancestralidade da maçã, e descobriram que a fruta nacional dos EUA é ancestral a Malus sieversii selvagem, que originalmente cresceu nas montanhas do sul do Casaquistão. Há mais de 7.500 variedades de maçã conhecidas hoje.

 

Os pesquisadores também descobriram que o enorme tamanho do genoma de maçã originou quando ele foi acidentalmente duplicado a muito tempo trás, na sua história evolutiva.

 

Um grande número de genes de pode dar uma vantagem competitiva, proporcionando mais defesas construídas contra doenças.

Tudo o que sabemos sobre:
Maçãgenomavantagem competitiva

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.