Gestante que bebe leite tem bebê mais forte, diz pesquisa

Um novo estudo publicado na revista Canadian Medical Association Journal dá às gestantes outra razão para beber leite. Pesquisadores descobriram que as mulheres que raramente tomaram leite durante a gravidez deram à luz bebês menores, comparados aos de mães que beberam mais leite. O baixo peso de bebês ao nascer afeta um a cada 13 crianças nascidas a cada ano nos Estados Unidos, e é um fator em 65% das mortes infantis, de acordo com a organização March of Dimes. Esse novo estudo sugere que beber a quantidade recomendada de leite todos os dias - três copos - pode ajudar a aumentar o peso da criança ao nascer. Os pesquisadores canadenses acompanharam 279 mulheres durante a gravidez. Eles descobriram que as mulheres que limitaram seu consumo de leite a um copo ou menos por dia consumiram significativamente menos proteína e vitamina D, e deram à luz bebês que pesavam menos, comparado às mulheres que beberam mais leite. O consumo de leite e a ingestão de vitamina D por meio de leite fortificado e suplementos durante a gravidez foram associados com o peso das crianças ao nascer, independentemente de outros fatores de risco. As análises dos dados calcularam que cada copo de leite consumido diariamente foi associado a um aumento de 41 gramas no peso do bebê. Os pesquisadores acreditam que a vitamina D pode não apenas afetar a formação do esqueleto do bebê, mas também o desenvolvimento neurológico, o sistema imunológico e a suscetibilidade a doenças crônicas mais tarde. Pesquisas anteriores sugeriram que o consumo de leite pode ajudar a reduzir o risco de pré-eclâmpsia ou de hipertensão induzida pela gravidez. Alcançar as necessidades de consumo de nutrientes é especialmente importante durante a gravidez. Os pesquisadores destacam uma necessidade significativa de vitamina D para a absorção de cálcio, entre outras coisas, e a importante contribuição do leite como fonte de vitamina D, cálcio e proteína.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.