Divulgação
Divulgação

Ginástica laboral ajuda a prevenir doenças decorrentes da má postura

Segundo Associação Brasileira de Ginástica Laboral, brasileiro está cada vez mais sedentário e o trabalho pode ser um lugar de incentivo à prática de atividades físicas

Agência Brasil,

15 de setembro de 2011 | 18h58

BRASÍLIA - A ginástica laboral pode ajudar na prevenção de doenças causadas pela má postura corporal no trabalho, segundo a presidente da Associação Brasileira de Ginástica Laboral (ABGL), Valquíria Aparecida de Lima.

"Os números de afastamentos do trabalho no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) estão cada vez maiores e só a prevenção pode ajudar", afirmou, durante audiência pública na Câmara dos Deputados para discutir o assunto.

Ela disse ainda que o brasileiro está cada vez mais sedentário, e o trabalho pode ser um lugar de incentivo à prática de atividades físicas. "O trabalho é uma oportunidade de estimular uma vida mais saudável", destacou.

Valquíria informou ainda que uma pesquisa feita em empresas e indústrias de São Paulo e do Rio de Janeiro, com profissionais das áreas administrativa e têxtil, contatou que mais de 80% deles não praticavam qualquer atividade física. "A inatividade traz prejuízos, e essas pessoas estão a caminho de ter alguma doença", ressaltou.

Membro da diretoria e conselheiro fiscal da Associação Brasileira de Ginástica Laboral (ABGL) em Minas Gerais, Marcos Maciel, disse que há várias pesquisas sobre a ginástica laboral e a maioria delas concluiu que a "ginástica laboral é eficaz na redução do estresse, da fadiga e de doenças ocupacionais".

Tramita na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 6.083/09, que obriga os órgãos e as entidades da administração pública federal (direta e indireta) a oferecerem, no próprio local de trabalho, atividades de ginástica laboral aos servidores.

A matéria já foi aprovada na Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público e será apreciada pela Comissão de Seguridade Social e Família e pela de Constituição, Justiça e Cidadania.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.