Ginecologista é condenado por abuso sexual em Taubaté

Médico é acusado de abusar de 24 pacientes durante procedimentos

Solange Spigliatti,

20 de janeiro de 2012 | 11h05

 O ginecologista Hélcio Andrade foi condenado a nove anos de prisão por abuso sexual contra suas pacientes durante consultas, em Taubaté, no Vale do Paraíba, interior de São Paulo, em 2010. O médico era acusado de abusar sexualmente de 24 pacientes durante procedimentos médicos na rede pública de saúde. Ele foi preso na cidade em maio do ano passado.

As investigações sobre os crimes de Andrade, que teriam sido cometidos na Casa da Mulher Taubateana, ligada à rede pública de saúde do município, começaram em março, depois que três mulheres fizeram boletim de ocorrência contra o ginecologista. Após as primeiras denúncias, outras 21 mulheres procuraram a polícia para prestar queixa.

Segundo o Tribunal de Justiça, nove denúncias foram levadas à Justiça, e a condenação à pena de nove anos e quatro meses de reclusão é referente ao abuso sexual contra cinco pacientes. A Justiça extinguiu a punibilidade em outros três casos, por não processarem o médico dentro do prazo de seis meses. Um outro caso foi encaminhado pelo juiz ao Ministério Público, por entender que o crime cometido era diferente (e mais grave) do que foi apresentado na denúncia. O processo está em segredo de justiça.

Tudo o que sabemos sobre:
ginecologistaTaubatéabusocrime

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.