Glaxo aumenta produção do Relenza contra a gripe suína

Empresa diz estar pronta para produzir 5 milhões de pacotes de tratamento do medicamento

Reuters

01 Maio 2009 | 15h36

A GlaxoSmithKline está elevando a produção do medicamento de inalação contra a gripe Relenza e está se preparando para começar a fabricar uma vacina contra a pandemia, informou a segunda maior farmacêutica do mundo nesta sexta-feira, 1.  

 

Veja também:

especial Mapa: veja como a gripe está se espalhando

especialEntenda a gripe suína: perguntas e respostas 

video Infectologista esclarece cuidados que serão tomados 

mais imagens Veja galeria de fotos da gripe suína pelo mundo   

som 'Meios de transportes facilitam a propagação'

documento Folheto oficial do Ministério da Saúde 

O Relenza, conhecido genericamente como zanamivir, é uma das duas únicas drogas aprovadas que se descobriu serem eficazes contra a nova cepa do vírus H1N1, que provoca a doença conhecida como "gripe suína". A outra é o comprimido Tamiflu, da concorrente Roche.

A Glaxo disse estar pronta para produzir 5 milhões de pacotes de tratamento do Relenza por mês dentro das próximas 12 a 14 semanas, o equivalente a uma taxa anual de fabricação de 50 a 60 milhões.

Um porta-voz da companhia se recusou a fornecer volumes precisos da produção, mas disse que o aumento é "significativo".

O Relenza se mostrou menos popular historicamente do que o Tamiflu no tratamento de gripes sazonais, levando a Glaxo a fazer apenas quantidades limitadas do medicamento no passado. Mas a demanda disparou como resultado do recente surto do vírus H1N1, que matou até 176 pessoas no México.

Para aumentar a produção ainda mais, a Glaxo afirmou que estava em discussões ativas com várias empresas com capacidade de fabricação, incluindo a chinesa Simcere Pharmaceuticals.

"A GSK está pronta para começar a fabricação de uma potencial vacina contra a nova variação do vírus (H1N1), uma vez que a OMS e outras autoridades públicas de saúde fizeram recomendações para composição da vacina", disse aGlaxoSmithKline.

Mais conteúdo sobre:
gripe suína

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.