Goiás decreta estado de emergência em saúde pública

Estado tem três casos confirmados de coronavírus e outros 16 em monitoramento

Samuel Straioto, Especial para o Estado

13 de março de 2020 | 19h17

O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), decretou estado de emergência em saúde pública por tempo indeterminado. Três casos de coronavírus foram confirmados e outros 16 estão em monitoramento. Eventos em diversos segmentos estão sendo cancelados.

O decreto foi publicado no suplemento do Diário Oficial do Estado e estabelece situação de emergência na saúde pública pelo prazo de 180 dias, com possibilidade de prorrogação.  Pelos próximos 15 dias, o texto determina a suspensão de eventos, de visitação a presídios e a pacientes internados com diagnóstico de coronavírus. Também foram adotadas dispensa de licitação para compra de bens e serviços e a realização compulsória de testes laboratoriais. 

Segundo Ronaldo Caiado, a medida é necessária para ampliar a capacidade de estruturar a rede de saúde estadual em caso de necessidade de leitos e medicamentos.  Se não fosse decretada a medida pelo governador, Goiás precisaria cumprir a Lei de Licitações, o que poderia atrapalhar a aquisição de insumos e equipamentos visando a prevenção e tratamento do coronavírus.

“O decreto de emergência pode provocar uma certa apreensão nas pessoas. Isso é mais do ponto de vista burocrático se tivermos de cumprir as leis de licitações, se tivermos para comprar um respirador vai demorar em torno de dois meses, se tiver que tomar medidas para outras áreas”, declarou o governador Ronaldo Caiado.  

O secretário estadual de Saúde, Ismael Alexandrino, explicou que, desde o início do ano, Goiás estava se preparando. Ele relatou que seria inevitável a chegada da doença no Brasil e que a rede pública de saúde precisaria estar apta. A secretaria informou que está seguindo protocolos internacionais de segurança, a fim de diminuir o potencial de transmissão da doença em Goiás.

Ele descreveu que Goiás foi o primeiro estado brasileiro a apresentar um plano de contingência, devido a chegada dos repatriados da China, epicentro de disseminação do coronavírus. 34 brasileiros ficaram por alguns dias na Base Aérea de Anápolis. O Laboratório Central foi estruturado para fazer os testes de coronavírus.

 

Atendimento

Os pacientes com contaminação confirmada de coronavírus serão direcionados para um local específico, o Hospital do Servidor Público. O espaço tem 24,5 mil metros quadrados. Serão instalados equipamentos de respiração. São 222 leitos disponíveis, mas que serão disponibilizados de forma gradativa e caso haja necessidade.

O Estado pode receber do Ministério da Saúde o valor de 2 reais per capita a serem destinados à contenção da pandemia e atendimento de pacientes, o que somaria cerca de R$ 14 milhões. Para pacientes do interior, ambulâncias serão equipadas para trazer pacientes para a capital, caso haja necessidade.

 

Eventos 

Houve a recomendação para cancelamento de grandes eventos para evitar a aglomeração de pessoas, e consequentemente a proliferação da doença. A medida deve durar pelo menos quatro meses. 

O secretário de Saúde, Ismael Alexandrino, explicou que eventos com mais de 100 pessoas são classificados como de "grande porte". Ele também orientou que haja um distanciamento de um a dois metros, para evitar a transmissão pela saliva.

O gestor argumentou que após os próximos quatro meses, a transmissão deve ficar estabilizada e o vírus começará a se comportar “de forma mais tênue”.

Partidas de futebol serão realizadas, mas sem a presença de torcedores. Eventos como a Tecnoshow Comigo, em Rio Verde, um dos maiores do segmento agropecuário, foram adiados.

Na área de ensino, por enquanto, segundo a Secretaria Estadual de Saúde informou que ainda não há a necessidade de suspensão das aulas.

 

Outras ações

O governador Ronaldo Caiado destacou que haverá um escalonamento no horário dos servidores públicos, para que diminua a aglomeração de pessoas. Ele fez pedidos ao comércio para que a entrada e saída de funcionários seja de forma semelhante. Também houve pedido a donos de empresas de ônibus e ao setor produtivo quanto ao reforço da higienização em locais que as pessoas mais colocam as mãos.

Nesta sexta-feira (13), houve o cancelamento de atividades em 21 espaços culturais administrados pelo governo. No sistema prisional, a Diretoria Geral de Administração Penitenciária suspendeu as visitas aos reeducandos por um período de 15 dias. Os Poderes Legislativo e Judiciário de Goiás também adotaram medidas para evitar aglomerações.

A Procissão do Fogaréu, realizada todo ano durante a Semana Santa, na Cidade de Goiás, “provavelmente” será adiada. A procissão é uma encenação realizada desde 1745, sendo que o formato atual tem pouco mais de 50 anos. Milhares de pessoas acompanham o evento, que ocorre na noite de quarta-feira da Semana Santa. A multidão acompanha o ritual que simboliza a procura e a prisão de Cristo.

A Marcha para Jesus de Goiânia foi adiada por conta da pandemia. O evento estava previsto para ocorrer no dia 1 de maio, mas foi postergado por tempo indefinido para evitar o avanço do coronavírus.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.