Gordura abdominal estimula obesidade, diz estudo

Pesquisa indica que hormônio permite reprodução de células adiposas e acelera processo.

Da BBC Brasil, BBC

17 de abril de 2008 | 18h00

O excesso de gordura na barriga pode estimular a fome e induzir à obesidade, sugere um estudo realizado no Canadá.Segundo a nova pesquisa, publicada na revista científica da Federation of American Societies of Experimental Biology, a camada de gordura do abdômen produz um hormônio conhecido como neuropeptídeo Y (NPY), que estimula o apetite e é produzido também pelo cérebro.A ação deste hormônio, por sua vez, estimularia a reprodução das células adiposas, o que acelera a obesidade."Esse processo pode se transformar em um ciclo vicioso em que o NPY produzido pelo cérebro faz você comer mais e acumular mais gordura na barriga", diz Yaiping Yang, que liderou o estudo."Essa camada gordurosa produz então mais hormônios NPY, o que leva a um aumento no número de células gordurosas."ObesidadeEstudos anteriores já indicavam que a produção excessiva do hormônio neuropeptídeo Y é um dos principais fatores que leva os obesos a comer mais.A obesidade, independente do local em que a gordura é acumulada, faz mal à saúde. No entanto, a gordura abdominal é considerada mais perigosa porque aumenta o risco de doenças cardíacas, diabete tipo 2, pressão alta e alguns tipos de câncer. Segundo Yang, o próximo passo da pesquisa será identificar se o NPY produzido pelo abdômen também é liberado no sistema circulatório, o que poderia afetar as mensagens que o cérebro envia sobre a sensação de fome. Caso o hormônio possa ser encontrado na corrente sangüínea, o pesquisador afirma que será possível desenvolver um exame simples de sangue para detectar qualquer aumento no nível de NYP."Se conseguirmos detectar o NPY cedo e identificar pacientes com risco de obesidade abdominal, podemos fazer um tratamento para impedir a ação do hormônio", afirma Yang. "Seria muito mais fácil usar medicamentos para prevenir a obesidade do que tratar doenças causadas por ela", conclui. De acordo com o diretor do Fórum Nacional para Obesidade da Grã-Bretanha, David Haslam, o estudo oferece mais informações sobre os mecanismos complexos que regulam o processo de armazenamento e processamento de gordura. "Essa é uma das descobertas que, emum futuro próximo, pode levar a um modo de manipular o ciclo vicioso deste hormônio", afirma Haslam. "Não é ficção científica pensar que é possível encontrar um modo de bloquear sua ação."BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.