Governador propõe visita à ativista presa na Rússia

A mãe da bióloga, Rosângela Maciel, saiu otimista da reunião que teve com o governador do Rio Grande do Sul

Lucas Azevedo, Especial para o Estado

14 de outubro de 2013 | 21h31

PORTO ALEGRE - Rosângela Maciel, mãe da ativista do Greenpeace Ana Paula Maciel, presa na Rússia desde o dia 19 de setembro, saiu satisfeita do encontro que teve na tarde de ontem com o governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, em que ele propôs a criação de uma comitiva, integrada também pela família, para avaliar in loco a situação da bióloga.

"Ficaram de estudar a possibilidade. O Tarso disse que dará todo apoio à família, assim como o governo federal já prometeu. Sei que existe politicagem, questões econômicas, muito envolvimento entre Brasil e Rússia. Mas senti uma grande possibilidade de as coisas melhorarem",disse Rosângela. A bióloga gaúcha foi detida em um protesto do Greenpeace no Oceano Ártico, quando um grupo de 30 ativistas tentava ingressar em uma plataforma de petróleo. A reunião durou cerca de 40 minutos e foi realizada a portas fechadas no Palácio Piratini, sede do governo em Porto Alegre.

Também participaram do encontro o secretário estadual de Justiça e Direitos Humanos, Fabiano Pereira, o pai de Ana Paula, Jaires Maciel, e o diretor do Greenpeace,Sergio Leitão. "A relação com o Estado nacional (Rússia)não é feita por nós, mas a família terá todo carinho, pois se trata de uma brasileira e gaúcha", afirmou o governador.

Uma carta de garantia já foi enviada pelo Brasil a Moscou, se comprometendo a garantir que a bióloga responda pelo processo se for libertada. "Queremos que ela seja tratada com dignidade e que os direitos civis sejam respeitados" disse Rosângela, que conseguiu falar com a filha pela primeira pelo telefone, sem intermediários. "Foi um alívio ouvir a voz dela", contou a mãe.

Tudo o que sabemos sobre:
GreenpeaceRússiaativistas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.