Ministério da Defesa/Divulgação
Ministério da Defesa/Divulgação

Governo abre crédito extra de R$ 11 mi para bancar operação de repatriação de brasileiros da China

Dinheiro será destinado ao Ministério da Defesa, que coordena a operação de resgate dos brasileiros em Wuhan. Duas aeronaves já estão a caminho da China

Idiana Tomazelli e Mateus Vargas, O Estado de S.Paulo

06 de fevereiro de 2020 | 17h49

BRASÍLIA - O governo prepara a abertura de um crédito extraordinário de R$ 11,287 milhões para bancar a "Operação Regresso", que vai resgatar brasileiros que estão na China expostos ao risco de contágio pelo coronavírus. Uma Medida Provisória, com vigência imediata, deve ser editada para abrir o crédito.

O crédito extraordinário serve para abrir caminho a despesas imprevistas. Esse tipo de crédito fica fora da limitação do teto de gastos.

O dinheiro será destinado ao Ministério da Defesa, uma das pastas que coordena a operação de resgate dos brasileiros em Wuhan, cidade que é o epicentro do contágio da doença. Duas aeronaves da frota presidencial da Força Aérea Brasileira são usadas na operação.

Para editar a MP, o governo justifica que a necessidade de atuação é imediata para retirar os brasileiros, uma vez que a cidade chinesa está isolada e bloqueada pela autoridade de saúde do país.

O Brasil enviou no final da manhã de quarta-feira, 5, duas aeronaves da frota presidencial para retirar de Wuhan 34 pessoas. O grupo é composto por brasileiros e seus parentes. A previsão é que eles cheguem ao Brasil no sábado, 8, quando será colocado em quarentena de 18 dias na base aérea de Anápolis (GO).

O País só decidiu realizar a busca no domingo passado, 2, após apelo de brasileiros que estão no epicentro do coronavírus.

Os 34 passageiros serão divididos entre as duas aeronaves, para minimizar riscos de infecção. O médicos também devem se revezar a cada três horas no contato com os passageiros a bordo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.