Gabriela Biló/Estadão - 18/12/2019
Gabriela Biló/Estadão - 18/12/2019

Governo anuncia contratação de 529 profissionais em primeira etapa do ‘Médicos pelo Brasil’

Cerca de 1,7 mil profissionais serão convocados até o final de abril e 4,6 mil ao longo do próximo ano, promete o Ministério da Saúde; oficialização dos primeiros médicos vem quase três anos após o lançamento do programa

Eduardo Gayer, O Estado de S.Paulo

18 de abril de 2022 | 18h07

BRASÍLIA - O governo federal anunciou nesta segunda-feira, 18, a contratação de 529 profissionais de saúde, entre médicos e tutores, na primeira etapa do programa Médicos pelo Brasil, que vai substituir gradativamente o Mais Médicos, criado na gestão Dilma Rousseff (PT). Cerca de 1,7 mil profissionais serão convocados até o final de abril e 4,6 mil ao longo do próximo ano, para atender quase duas mil cidades brasileiras, promete o Ministério da Saúde.

A oficialização dos primeiros médicos vem quase três anos após o lançamento do programa, em 1º de agosto de 2019. O Médicos pelo Brasil prevê a entrada de médicos estrangeiros ou brasileiros formados no exterior, mas apenas mediante a aprovação no exame Revalida, que dá valor legal ao diploma de outro país.

O Mais Médicos, do PT, foi criado em 2013 para atender regiões do País com baixa cobertura médica, mas sem necessidade de revalidação do diploma. A participação de profissionais cubanos sem diploma brasileiro, uma tônica do projeto, foi duramente criticada pelo presidente Jair Bolsonaro na campanha eleitoral de 2018.

De acordo com o Ministério da Saúde, o governo federal investiu cerca de R$ 783,6 milhões no programa, que pagará os profissionais dentro das normas da CLT e oferecerá benefícios adicionais para quem se dispuser a trabalhar no interior do País.

“Quanto mais distante, maior será o salário. Inclusive, os distritos indígenas vão pagar R$ 6 mil a mais, que, junto com os outros benefícios, o salário pode passar de 30 mil reais por mês”, disse o secretário de Atenção Primária do Ministério da Saúde, Rafael Parente, na cerimônia no Palácio do Planalto que oficializou a contratação dos primeiros médicos do programa.

“Esses médicos que vinham para o Brasil, 80% do que eles recebiam era retornado para o país de origem. Então esses colegas não tinham autonomia para sequer receber o suor do seu trabalho prestando assistência. Isso no governo Bolsonaro não acontece mais”, disse o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

O presidente Jair Bolsonaro usou a cerimônia de contratação dos primeiros profissionais do programa Médicos pelo Brasil no Palácio do Planalto para atacar o Mais Médicos, Cuba e o PT. Em clima de campanha, Bolsonaro disse que o  Mais Médicos promovia trabalho escravo dos profissionais cubanos, que “não sabiam absolutamente nada de medicina” e cumpriam ordens “de uma ditadura”.

“Não tinham sequer direito de ir e vir. Se não cumprissem aquilo determinado, seus familiares sofriam”, afirmou o presidente, para quem o Médicos pelo Brasil não é uma continuação do Mais Médicos. “São médicos de verdade, bem remunerados. Vão ser espalhados pelo Brasil”, disse.

Bolsonaro também atacou o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (União Brasil), que deixou o governo em abril de 2020, após atritos com ele, especialmente sobre o enfrentamento à pandemia.  Segundo o presidente,  Mandetta teria inserido no projeto do Médicos pelo Brasil a permissão para emissão do Revalida por parte de universidades privadas, e não apenas públicas, o que foi vetado pelo Executivo. “E ele trabalhou dentro do Congresso Nacional para que o veto fosse derrubado”, disse. "Trabalho do Mandetta contra sua classe médica”.

A nova versão da proposta exige a revalidação do diploma, por instituições públicas, de profissionais estrangeiros ou brasileiros formados no exterior. O  documento não era necessário no governo Dilma. Procurado, Mandetta não se manifestou até a publicação deste texto.

No Palácio do Planalto, Bolsonaro também insistiu em que a retenção de 80% dos salários do Mais Médicos para o governo de Cuba teria resultado em ações judiciais contra o Brasil. “Muitos desses cubanos ficaram no Brasil, depois foram para os Estados Unidos e têm ações contra o Brasil por trabalho análogo à escravidão”, declarou. O ex-líder cubano Fidel Castro foi, nas suas palavras, para “um lugar bastante quente” quando morreu, em 2016.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.