Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Governo avalia fechar fronteira com Venezuela por novo coronavírus

Pedido foi feito pelo governador do Estado e discutido em reunião interministerial nesta sexta-feira, 13. Proposta depende de aval de Bolsonaro

Julia Lindner e Mateus Vargas, O Estado de S.Paulo

13 de março de 2020 | 18h19

BRASÍLIA -  O governo Jair Bolsonaro avalia fechar a fronteira de Roraima com a Venezuela como medida para tentar conter o avanço do novo coronavírus no País. O pedido, feito pelo governador do Estado, Antonio Denarium (Sem Partido), foi analisado durante reunião interministerial na manhã desta sexta-feira, 13. Uma proposta sobre o tema já está em fase de elaboração no Palácio do Planalto, mas depende do aval do presidente Jair Bolsonaro para ser concluída.

Na última quarta-feira, o governador de Roraima fez o pedido pelo fechamento da fronteira do Brasil com a Venezuela e a Guiana ao ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. Depois, Mandetta afirmou que a divisa com a Venezuela é "a única que realmente dá preocupação" ao governo brasileiro. Ele evitou citar diretamente a demanda do governador.

Nesta sexta, o ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, ligou para Denarium para tratar do assunto. De acordo com um interlocutor do governador, os dois ainda estão "alinhando" a questão. Um aliado de Ramos, por sua vez, garantiu que não há uma decisão sobre o assunto.

Ao Estado, Denarium disse nesta quinta-feira, 12, que o grau de preocupação com a fronteira é "muito grande". "Em Roraima está entrando de 500 a 700 venezuelanos todos os dias. Se tiver um foco de novo coronavírus na Venezuela, e com essa migração desordenada, pode se tornar uma epidemia. Está sob controle na Região Norte até hoje", afirmou o governador na quinta-feira.

Receba no seu email as principais notícias do dia sobre o coronavírus.

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.