Governo começa a distribuir medicamento 3 em 1 para aids

Combinação de remédios deverá chegar a 100 mil novos pacientes; medida pretende aumentar adesão ao tratamento 

O Estado de S. Paulo

14 Janeiro 2015 | 22h35

O Ministério da Saúde começou a distribuir nesta semana, a todos os Estados brasileiros, o medicamento 3 em 1 para o tratamento de pacientes com HIV e aids. A combinação dos remédios Tenofovir, Lamivudina e Efavirenz deverá chegar a 100 mil novos pacientes. 

Atualmente, os medicamentos são distribuídos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e consumidos separadamente. O uso do remédio combinado está previsto no protocolo clínico de tratamento de adultos com HIV e aids.  

De acordo com o ministro da Saúde, Arthur Chioro, a dose combinada representa um avanço no acesso ao tratamento de aids no País. "A utilização de dose fixa combinada (3 em 1) irá permitir uma melhor adesão ao tratamento de pessoas que vivem com HIV e aids", explicou o ministro.

O Ministério da Saúde investiu R$ 36 milhões na aquisição de 7,3 milhões de comprimidos. O estoque é suficiente para atender os pacientes nos próximos doze meses.

Dados. O número de pessoas em tratamento de aids no Brasil  cresceu 29% em 2014, quando comparado com o ano anterior. De janeiro a outubro, 61.221 iniciaram a terapia para controlar o HIV, de acordo com dados divulgados em dezembro de 2014, pelo Ministério da Saúde. 

A estimativa do governo é a de que atualmente 734 mil pessoas vivem com HIV e aids no País. Desse total, 80%  já receberam o diagnóstico. 

Mais conteúdo sobre:
aids HIV

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.