Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

MG define plano para flexibilizar isolamento; cinemas e escolas só voltam no 2º semestre

Empresas serão divididas em grupos que serão classificados por cores para definir quem voltará mais rapidamente ao trabalho

Leonardo Augusto / Especial para O Estado , O Estado de S.Paulo

22 de abril de 2020 | 21h28

BELO HORIZONTE - O Governo de Minas Gerais definiu o plano que vai afrouxar o isolamento social e retomar a atividade econômica no Estado. A estratégia é criar uma espécie de protocolo a ser passado aos prefeitos, que ficarão responsáveis para adotar a flexibilização. As primeiras medidas de distanciamento entre as pessoas e paralisação de empresas e estabelecimentos comerciais por causa da pandemia do novo coronavírus foram tomadas no dia 17 de março.

A posição acontece no mesmo dia em que o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), apresentou o Plano São Paulo, projeto para abrir alguns setores da economia em algumas regiões do Estado e afirmou que, apesar disso, para ampliar o período de quarentena para depois de 10 de maio. Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Goiás, Espírito Santo, Paraíba, Sergipe e Tocantins - e o Distrito Federal já afrouxaram desde a semana passada o isolamento social, imposto para conter o avanço do novo coronavírus no Brasil. Especialistas divergem sobre o tema.

 

Foi definido que as escolas não voltarão às atividades normais com menos de três meses. O retorno com prazo mais longo, no entanto, será na área da Cultura. Cinemas, casas de show, teatros e boates não vão funcionar por, pelo menos, 120 dias a partir de hoje. O programa foi batizado de "Minas Consciente". Toda a retomada ocorrerá de forma gradual. O governador Romeu Zema (Novo) vai anunciar nesta quinta-feira, 23, o programa, que deverá chegar aos prefeitos na próxima semana, segundo fontes ouvidas pela reportagem.

As empresas serão divididas em grupos que serão classificados por cores. O verde, por exemplo, será para empresas que poderão retomar as atividades mais rapidamente. O vermelho, para setores que vão demorar mais para retomarem o funcionamento. O Governo quer, ainda, dar prioridade a grandes empresas, de alto impacto econômico, que necessitam de número menor de funcionários para operar. Um calendário com as cores e as empresas atribuídas a cada uma delas será entregue às prefeituras. 

Ficou definido ainda que a aplicação das medidas será iniciado pelo Interior. Grandes centros, pelo número maior de pessoas, deverão ter abertura mais lenta. Empresários vêm exercendo forte pressão no Estado pela retomada da atividade econômica.

Mortes

Nesta quarta-feira, a Secretaria de Estado de Saúde anunciou que 47 pessoas morreram em Minas Gerais por causa da covid-19, três a mais que o relatório divulgado ontem, 21. O total de casos confirmados é de 1.283. Os óbitos suspeitos de terem ocorrido por causa da doença e que ainda estão em investigação somam 78. O número de casos suspeitos é de 77.744.

Nesta tarde, o secretário de Saúde, Carlos Eduardo Amaral, afirmou que o pico projetado para casos da covid-19 passou a ser 3 de junho, ante 23 de maio, conforme previsão anterior. O alongamento do prazo, conforme o secretário, ocorreu por causa da adesão da população às medidas de isolamento. A expectativa é de que Minas Gerais tenha 4.290 casos da doenças, contra 3.583 da projeção que a antecedeu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.