Governo do Estado de São Paulo
Governo do Estado de São Paulo

Governo de São Paulo planeja lockdown no Estado todo das 22h às 5h

Decisão final será anunciada nesta quarta-feira pelo governador João Doria; escolas vão continuar abertas

Renata Cafardo, O Estado de S.Paulo

23 de fevereiro de 2021 | 16h50

O governo do Estado planeja colocar todas as cidades de São Paulo em lockdown, entre 22 horas e 5 horas, para frear o avanço da covid-19. A ideia foi defendida nesta terça-feira, 23, em reunião com o Centro de Contigência da Covid-19, e tem forte apoio dentro do governo, segundo apurou o Estadão. Nesta semana, o Estado de São Paulo atingiu seu maior número de internações em UTI desde o início da pandemia. A decisão final será tomada nesta quarta-feira, 24, quando o governador João Doria (PSDB) vai anunciar as novas medidas de restrição.

Ainda não há detalhes sobre como seria a fiscalização, mas a intenção é que haja uma “orientação” para que as pessoas fiquem em casa nesse período. Não se fala ainda em atuação da polícia impedindo as pessoas de sairem às ruas. Bares, restaurantes e comércio estariam fechados. Uma nova reunião na manhã desta quarta-feira vai ainda definir os detalhes. 

Segundo o Estadão apurou, o governo não pretende, por enquanto, mudar o funcionamento das escolas públicas e particulares, que voltaram às aulas presenciais neste mês. O secretário estadual da Educação, Rossieli Soares, é um forte defensor de as escolas continuarem abertas mesmo em períodos mais críticos da pandemia, mas tem sofrido pressão de sindicatos dos professores.

Um decreto estadual, de dezembro, permite a continuidade das aulas presenciais mesmo na fase vermelha, a mais restritiva do programa estadual de flexibilização, o Plano São Paulo. A Prefeitura da capital também não tem intenção de restingir a volta às aulas presenciais nas redes pública e privada. segundo fontes.

Entidades do terceiro setor, como o movimento Escolas Abertas, que reúne 150 mil mães e pais de alunos, têm se manifestado contra  fechar novamente as unidades.  Em países como Reino Unido e Alemanha, as escolas também foram as últimas a serem fechadas na segunda onda da pandemia que atingiu a Europa no início do ano. Mas o primeiro ministro Boris Johnson anunciou nesta segunda que elas serão reabertas em 8 de março, mesmo com o país ainda em lockdown, com testes em massa dos alunos mais velhos. Academias e salões de beleza, por exemplo, devem ser autorizados a abrir só depois de 12 de abril. “Todas as evidências mostram que a escola é segura e os riscos para as crianças são muito pequenos”, disse Johnson.  

Em São Paulo, a situação do interior é a que mais preocupa. Algumas cidades, por causa do aumento da pandemia e do colapso no sistema de saúde, decretaram lockdown para tentar reduzir a transmissão do vírus. Araraquara é um dos municípios que fecharam tudo - incluindo supermercados - para tentar conter a contaminação. Na cidade, 98% dos leitos estão ocupados.

São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo, também anunciou nessa segunda-feira, 23, o toque de recolher entre 22 horas e 5 horas e adiou a volta às aulas presenciais, que seriam no dia 1º de março. O governo tem ampliado a oferta de leitos, mas a situação pode ser replicada para outras cidades. Atualmente, a taxa de ocupação geral de leitos no Estado de São Paulo está em 67,9%.

As medidas que devem ser anunciadas nesta quarta-feira são adicionais ao Plano São Paulo, o programa estadual de reabertura econômica, com as cores verde, amarelo, laranja e vermelho, e determinam as regras para o funcionamento de atividades. A classificação é feita de acordo com o número de infecções e mortes, ocupação de leitos, dentre outros fatores. Pelo menos quatro regiões do Estado (Presidente Prudente, Barretos, Araraquara/São Carlos e Bauru) estão no alerta máximo. A Grande São Paulo está na fase amarela. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.