Gabriela Bilo/Estadão
Gabriela Bilo/Estadão

Governo de SP fará pente-fino em contas e dados de hospitais conveniados ao SUS

A iniciativa tem como objetivo evitar novas crises como a da Santa Casa de São Paulo, que entrou em colapso no ano retrasado após acumular dívida de R$ 800 milhões

Fabiana Cambricoli, O Estado de S.Paulo

20 de abril de 2016 | 17h35

SÃO PAULO - A partir de maio, a Secretaria Estadual da Saúde de São Paulo fará um pente-fino nas contas e dados de hospitais conveniados ao SUS para tentar identificar desperdício de recursos, falhas na assistência e problemas de gestão, inclusive desvios de verba pública.

A iniciativa, anunciada nesta quarta-feira, 20, pelo secretário estadual da Saúde, David Uip, tem como objetivo evitar novas crises como a da Santa Casa de São Paulo, maior instituição filantrópica da América Latina, que entrou em colapso no ano retrasado após acumular dívida de R$ 800 milhões.

“Tratava-se de uma instituição privada, cuja situação só veio à tona quando eles fecharam o pronto-socorro. Foi uma lição para nós”, declarou o secretário, referindo-se à decisão do então provedor da Santa Casa, Kalil Rocha Abdalla, de interromper os atendimentos de urgência na unidade por 30 horas em julho de 2014, alegando falta de recursos. Auditorias e investigação do Ministério Público Estadual apontaram falhas de gestão. Em abril de 2015, Abdalla renunciou ao cargo após a Justiça autorizar a quebra de seus sigilos bancário e fiscal.

De acordo com Uip, um hospital será sorteado por semana para passar pela auditoria. As unidades escolhidas terão de apresentar dados econômicos, financeiros, administrativos, operacionais, assistenciais e institucionais.

Entre os indicadores que serão analisados estão os balanços patrimoniais dos últimos três anos, custos de cada setor, metas de produção, taxa de ocupação de leitos e contratos com empresas terceirizadas. “O que nós encontramos na Santa Casa de São Paulo me incomodou muito. Fizemos outras auditorias e encontramos outras situações que nos preocupam”, disse Uip.

Dos R$ 8 bilhões que a secretaria estadual recebe do Ministério da Saúde para custeio das ações do SUS, metade vai para convênios firmados pela pasta. Atualmente, o governo estadual mantém parceria com 476 hospitais. “Tudo aquilo que tiver dinheiro público temos de auditar”, disse Uip.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.