REUTERS/Amanda Perobelli 12-01-2021
REUTERS/Amanda Perobelli 12-01-2021

Governo de SP faz primeiros repasses diretos de Coronavac a cinco Estados

No total, 2,5 milhões de doses serão entregues a Pará, Ceará, Espírito Santo, Mato Grosso e Piauí. Contrato com o governo federal para 100 milhões de doses já foi cumprido, diz gestão paulista

Pedro Venceslau, Marco Antônio Carvalho e João Ker, O Estado de S.Paulo

22 de setembro de 2021 | 11h06
Atualizado 22 de setembro de 2021 | 22h13

O governo de São Paulo e o Instituto Butantan repassam nesta quarta-feira, 22, 2,5 milhões de doses da Coronavac a cinco Estados brasileiros, como parte de uma aquisição direta que não envolveu o Ministério da Saúde. Ao governo federal, o governo paulista diz já ter finalizado a entrega da quantidade contratada de 100 milhões de vacinas. 

A entrega de vacinas a outros Estados ocorre em um momento em que o governador João Doria (PSDB) formaliza a sua pré-candidatura à presidência da República. A Coronavac não tem liberação da Anvisa para ser aplicada em adolescentes nem é recomendada pelo governo federal como dose de reforço para idosos. 

A maior parte da entrega desta quarta-feira será destinada ao Pará, que ficará com 1 milhão de doses. Espírito Santo e Mato Grosso receberão 500 mil vacinas. Ceará ficará com 300 mil doses e o Piauí, 200 mil. As vacinas foram envasadas pelo Instituto Butantan, que realizou “rigoroso controle de qualidade antes do fornecimento”. 

O Pará é um dos Estados que tem a menor proporção de habitantes adultos vacinados e poderá usar os novos lotes para acelerar a aplicação. De acordo com dados do consórcio de veículos de imprensa, as cidades paraenses tem 70% dos adultos imunizados com a primeira dose até aqui, número que já chegou a 100% em São Paulo. 

Os demais Estados que recebem hoje as vacinas extras estão com mais de 80% da população adulta com a primeira dose. As doses do Butantan também poderão ser usadas como segunda dose. A proporção de adultos totalmente imunizados nesses Estados está na casa dos 40%, com exceção do Espírito Santo, onde 53,5% dos maiores de idade estão completamente vacinados. 

O contrato de 100 milhões de doses do Butantan ao governo federal foi finalizado no dia 15 de setembro, com a liberação de um lote de 6,9 milhões de imunizantes. O instituto sediado em São Paulo ainda terá de substituir parte dos lotes já entregue depois de uma interdição realizada pela Anvisa. Nesta quarta-feira, a agência federal ordenou o recolhimento de vacinas produzidas em uma fábrica na China que não passou por inspeção brasileira.

Em coletiva de imprensa na noite desta quarta, o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Rodrigo Cruz, afirmou que a pasta teria pedido "esclarecimentos" ao Butantan, uma vez que o contrato firmado com o governo federal prevê exclusividade na entrega de doses ao PNI. Assim, o laboratório paulista não poderia negociar a venda da Coronovac com outros países nem com outros entes da federação. 

"No nosso entendimento, até que o contrato seja finalizado, a cláusula de exclusividade deve ser respeitada", afirmou Cruz. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.