Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Governo de SP lança auxílio de R$ 300 para parentes de vítimas de covid-19

Benefício será para pessoas em situação de vulnerabilidade que perderam familiares para o vírus; quase 11 mil pessoas vão receber valor durante seis meses

Paula Felix, O Estado de S. Paulo

29 de junho de 2021 | 12h31

   

SÃO PAULO - O governador João Doria (PSDB) anunciou nesta terça-feira, 29, que pessoas em situação de vulnerabilidade que perderam parentes para a covid-19 vão receber um auxílio no valor de R$ 300. O benefício do programa São Paulo Acolhe será pago a quase 11 mil pessoas entre os meses de julho e dezembro, com possibilidade de ser prorrogado.

"Nada vai reparar a dor da perda de uma pessoa querida, mas vamos ajudar na reconstrução dessas famílias", disse Doria em seu perfil no Twitter.

Secretária de Estado de Desenvolvimento Social, Célia Parnes disse que o benefício será destinado a pessoas inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais (CadÚnico), com renda familiar de até três salários mínimos, e que 10.929 famílias serão beneficiadas.

"É um auxílio financeiro para pessoas que perderam familiares para a covid, que vai impactar mais de 30 mil pessoas em todas as regiões do Estado. Muitas vezes, a pessoa que colocava a comida na mesa, era um pilar. E, num piscar de olhos, desapareceu. Agora, pessoas, além da perda, têm de lutar pelas fontes de renda e emprego."

O investimento no programa será de mais de R$ 20,1 milhões e o cadastro pode ser feito pelo site do Bolsa do Povo, programa social do governo do Estado. Caso a pessoa não tenha acesso à internet, o cadastro pode ser feito nos Centros de Referência de Assistência Social (CRASs). Não será necessário entregar comprovante da morte do familiar.

"Não é necessário comprovar, temos os cruzamentos de cadastros de óbitos, com a Secretaria de Saúde, e cadastros sociais. Estamos computando desde março de 2020. Basta fazer um adicional de dados, como telefone e endereço para correspondência", explica Célia.

A primeira parcela será paga em 20 de julho e a última, em dezembro, mas o pagamento pode ser prorrogado. "Se estiver em situação de vulnerabilidade clara, como está no momento, (a medida) pode ser prolongada", diz Doria.

O governador lamentou as mortes causadas pelo vírus e informou que o benefício tem como objetivo equilibrar financeiramente a população vulnerável enquanto a economia não é retomada.

"Quantos perderam suas vidas? Quantas mães, pais, avós? Quantas tragédias de famílias inteiras que se foram? Era nosso dever criar um programa que pudesse acolher essas famílias que sofreram com as perdas, com a ausência e também com a falta de recursos. Isso ajuda e permite que essas famílias consigam sobreviver enquanto fazemos a vacinação."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.