Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Governo de SP planeja vacinar idosos com 80 anos ou mais no fim de fevereiro

Próxima etapa de imunização começa com população de 90 anos ou mais na próxima segunda, seguida dos idosos a partir dos 85 anos em 15 de fevereiro

Priscila Mengue, O Estado de S.Paulo

01 de fevereiro de 2021 | 17h08

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), pretende iniciar a vacinação da população de 80 a 84 anos contra a covid-19 no fim de fevereiro. Antes disso, a partir de 8 de fevereiro, o foco será a imunização de idosos com mais de 90 anos e, após 15 de fevereiro, também daqueles entre 85 e 89 anos.

Antes disso, o governo paulista aguarda uma incorporação do público de 80 anos ou mais no plano nacional de imunização, o que foi solicitado pelo governo paulistano. "Caso o governo federal, não confirme esta posição para proteger as pessoas de idade até o final da semana, São Paulo vai vacinar no programa estadual de imunização. Já fizemos isso com os quilombolas (que não estavam na primeira etapa de vacinação nacional)", declarou Doria em coletiva de imprensa nesta segunda-feira, 1º.

Além disso, a partir de 14 de fevereiro, o Estado começa a aplicação da segunda dose da Coronavac para os primeiros vacinados. Segundo o governo estadual, 435.443 pessoas receberam uma dose do imunizante até as 15h40 desta segunda-feira, dentre profissionais de saúde, idosos e pessoas com deficiência moradores de instituições de longa permanência, indígenas e quilombolas.

Nesta segunda-feira, a China liberou a exportação de 5,6 mil litros de insumos da vacina, desenvolvida pela farmacêutica Sinovac em parceira com o Instituto Butantan, de acordo com anúncio de Doria. O volume é suficiente para a aplicação de 8,7 milhões de doses. Outra remessa, de 5,4 mil litros de IFA (Insumo Farmacêutico Ativo)deve chegar na noite de quarta-feira, a qual permite a produção de 8,6 milhões de unidades.

Além disso, na coletiva de imprensa, o coordenador executivo do Centro de Contingência da Covid-19, João Gabbardo, faz um apelo ao governo federal para priorizar e acelerar a vacinação das pessoas com mais de 60 anos em relação a determinadas categorias profissionais. 

“Eu perguntaria a um professor de 28 anos de idade se gostaria de ser vacinado antes dos seus pais com 50 (anos) e dos seus avós com 70 (anos). Eu gostaria de perguntar a um militar de 23 anos de idade se se sentiria confortável em ser vacinado se os seus pais, os seus avós, ainda não estão vacinados", questionou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.