Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Governo de SP promete zerar fila de exame para coronavírus em duas semanas

Para analisar a demanda reprimida de testes, Estado formou uma rede de 45 laboratórios públicos e privados que, quando estiver em plena capacidade, poderá analisar 8 mil amostras por dia  

Fabiana Cambricoli, O Estado de S.Paulo

11 de abril de 2020 | 19h34

A Secretaria Estadual da Saúde afirmou neste sábado que pretende zerar a demanda reprimida de testes para coronavírus que aguardam resultado em duas semanas. "A gente espera que até o final do mês esteja sendo processado só o que entra (exames novos), e que não tenha mais nenhum atraso", afirmou Paulo Menezes, coordenador do controle de doenças da secretaria.  

O governo diz que, para analisar a demanda reprimida de testes, formou uma rede de 45 laboratórios públicos e privados que, quando estiver em plena capacidade, poderá analisar 8 mil amostras por dia. A rede está sendo coordenada pelo Instituto Butantã.

Segundo o órgão, a estimativa é de que, após zerar a fila, os novos exames que chegarem aos laboratórios da rede tenham seus resultados liberados em 48 horas.

Na sexta-feira. o Estado mostrou que 30 mil testes para coronavírus aguardam resultado em São Paulo.

A pasta disse ainda que quase 9 mil das 30 mil amostras, embora registradas no sistema e descritas em boletim epidemiológico do órgão, não chegaram ao Instituto Adolfo Lutz, pois estão nas unidades de saúde onde foram coletadas, e que o número de testes à espera de resultado na instituição é, portanto, de 21 mil exames. "Essa é a fila real, mas por que a gente fala em 17 mil? Porque em torno de 4 mil já estão sendo analisadas", destacou Menezes.

As cerca de 9 mil amostras não recebidas são as que aparecem no boletim com o status de triagem ou encaminhamento. "As duas situações descritas foram cadastros de solicitações de exames realizados pelas unidades de saúde de amostras que não chegaram a ser encaminhadas para o Adolfo Lutz", afirmou o coordenador do controle de doenças.

A tabela publicada no boletim epidemiológico, no entanto, apresenta os testes como "realizados pelo Instituto Adolfo Lutz" sem explicitar que foram incluídos no balanço amostras ainda não encaminhadas. A secretaria foi procurada pelo Estado antes da publicação da reportagem sobre os 30 mil testes e não apontou erro na interpretação dos dados. Somente após a publicação da matéria, a pasta afirmou que 9 mil amostras ainda não haviam chegado.

Menezes afirmou que a principal dificuldade para dar vazão aos exames recebidos era a quantidade limitada de kits diagnósticos, problema que deverá ser solucionado com a compra de 1,2 milhão de kits da Coreia do Sul. A primeira remessa, de 725 mil unidades, está programada para chegar já neste domingo, 12.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.