Governo descarta sinais de gripe suína em porcos nos EUA

Ainda não há evidências de que animais nos Estados Unidos tenham contraído a forma virulenta da doença

Agência Estado,

27 Abril 2009 | 12h44

WASHINGTON -
Ainda não há evidências de que porcos nos Estados Unidos tenham contraído a forma virulenta da gripe suína, que se espalhou para humanos no México e nos Estados Unidos, mas autoridades do governo ainda estão procurando sinais da doença, afirmou ontem em um comunicado Tom Vilsack, secretário do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA).

Veja também: 

linkCom na Espanha, gripe suína chega à Europa

linkOMS discute gripe suína e UE convoca reunião

linkEstado de emergência é 'precaução', diz Obama

linkNão há evidências de casos no Brasil

linkEUA declaram emergência de saúde pública

lista Entenda a doença e saiba como ela é transmitida

mais imagens Galeria: Gripe suína

 

Nesta segunda-feira, o Departamento para o Meio Ambiente, Alimentos e Assuntos Rurais (Defra, na sigla em inglês) também afirmou que está procurando qualquer sinal da doença em suínos para evitar a disseminação da gripe suína. "Há uma vigilância contínua em relação aos porcos no Reino Unido e não há evidências da doença", afirmou Nigel Gibbens, veterinário-chefe do Reino Unido.

"Queremos reassegurar ao público de que não há evidência neste momento mostrando que suínos tenham sido infectados com o vírus da doença nos EUA", afirmou Vilsack, do USDA.

Os EUA produzem cerca de 23 bilhões de libras de suínos por ano e o secretário ressaltou que é seguro consumir carne suína. "Segundo cientistas do USDA e do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês), o vírus da gripe suína não é transmitido pelo alimento, então não é possível contrair a doença consumindo carne suína e produtos derivados", disse o secretário.

O USDA tem um sistema de vigilância para monitorar a saúde animal, mas Vilsack afirmou que está instruindo autoridades do USDA a entrarem em contato com autoridades agrícolas de todos os Estados dos EUA para garantir que não existem sinais do vírus em suínos em cada Estado".

O Conselho Nacional de Produtores de Suínos dos EUA em comunicado divulgado ontem afirmou que está pedindo aos produtores de suínos que "mantenham procedimentos rigorosos de biossegurança em suas propriedades e fiquem vigilantes para tomar medidas para evitar a disseminação da doença".

Mais conteúdo sobre:
gripe suínaporcosEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.