Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Governo deve acabar com sistema de cores no Plano São Paulo

Mudança ocorrerá nas próximas semanas, quando serão criados novos indicadores; o avanço da vacinação é o motivo

Renata Cafardo, O Estado de S.Paulo

28 de julho de 2021 | 05h00

O governo paulista deve acabar nas próximas semanas com sistema de cores que indicam as fases de flexibilização no Plano São Paulo. O motivo, segundo integrantes do Centro de Contingência que auxilia o governo nas decisões sobre a pandemia, é o avanço da vacinação no Estado. Nesta quarta-feira, 28, em coletiva, deve ser anunciada maior ocupação de bares, restaurantes e comércio, até então limitada a 60%.

Segundo o Estadão apurou, especialistas do comitê vão criar nas próximas semanas novos indicadores para determinar a flexibilização dos serviços no Estado. Isso porque, acreditam, em um contexto de vacinação avançada não existe mais a mesma relação entre números de infecções, hospitalização e mortes que norteou o plano até agora. 

Em países com altos índices de vacinação e que têm visto o aumento de infecções, como Reino Unido e Estados Unidos, o registro de hospitalizações e mortes não acompanha o mesmo ritmo. Por isso, a circulação pode não ser proibida, mas protocolos sanitários precisam ser mantidos. 

Nesta semana, o Center for Disease Control and Prevention (CDC), órgão de controle dos EUA, mudou suas recomendações. Passou a pedir novamente que os americanos usem máscaras em espaços públicos fechados. Professores e alunos, que em muitas cidades já tinham encerrado o ano letivo em junho sem a proteção, também terão de voltar a usá-la.

São Paulo está atualmente numa fase chamada de transitória pelo governo, que seria uma ponte entre a vermelha e a laranja. No entanto, foram autorizadas ocupações de espaços que condizem com o esperado nas fases menos restritivas, como amarela e verde. Este ano, o governo criou em março também a fase emergencial, mais grave que a vermelha. 

São Paulo registra nos últimos dias redução no número de novas internações por covid-19 por causa do avanço na vacinação. A média de novas hospitalizações entre os dias 15 e 21 de julho ficou em 1.403, a menor desde o início do ano. Apesar da queda, o total de internados ainda é alto e 6.920 pessoas ocupam hoje leitos de UTI. 

Segundo o governo, 288 municípios paulistas – 44% do total – não registraram mortes por covid na última semana. O Estado já acumula 3,9 milhões de casos e 135,9 mil mortes por covid.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.