Axel Schmidt/Reuters
Axel Schmidt/Reuters

Governo diz que aplicará 46 milhões de testes; promessa esbarra na capacidade de produção

Fundação Oswaldo Cruz informou que produzirá 11 milhões de testes moleculares para o Ministério da Saúde até setembro

Redação, O Estado de S.Paulo

20 de abril de 2020 | 23h49

SÃO PAULO - O Ministério da Saúde anunciou nesta segunda-feira, 20, que pretende aplicar 46,2 milhões de testes do novo coronavírus pelo País, mas não informou quando esses testes serão aplicados. O plano esbarra na capacidade de encontrar quem os forneça, diante da dificuldade de fabricação dos exames e da forte disputa pelo produto no mercado internacional, segundo especialistas. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) informou também nesta segunda que irá produzir 11 milhões de testes moleculares, mas a entrega será feita de forma parcelada para o ministério, até o mês de setembro.

A testagem em massa é considerada uma das medidas mais efetivas para identificar o avanço do vírus e criar estratégias de controle. Um dos países que adotaram esse modelo é a Coreia do Sul, apontada como exemplo de sucesso pela Organização Mundial da Saúde. O governo brasileiro, inicialmente, afastou a possibilidade de exames em larga escala, mas passou a prever esse modelo desde o final do mês passado.

Do total de testes que o governo pretende aplicar, 24,2 milhões são RT-PCR (biologia , do tipo mais preciso) e 22 milhões de testes rápidos (sorologia). Segundo o ministério, mais de 2 milhões de testes rápidos já foram distribuídos aos estados, todos doados pela Vale. Para conseguir cumprir a promessa, o ministério abriu edital de chamamento público para aquisição de mais 12 milhões de testes rápidos. As propostas devem ser enviadas à pasta até quarta-feira, dia 22.

Em relação aos testes de biologia molecular, o ministério diz ter enviado 524.296 mil unidades aos Laboratórios Centrais de Saúde Pública (LACENs) de todo o país. O quantitativo faz parte das aquisições já entregues ao Ministério da Saúde pela Fundação Oswaldo Cruz - Fiocruz (161.704), Instituto de Biologia Molecular do Paraná - IBMP (62.592) e doação da Petrobrás (300 mil).

O governo afirma ter comprado 10 milhões de testes RT-PCR da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS/OMS). "A previsão é que cerca de 500 mil testes comecem a chegar na semana próxima semana e, depois, cerca de 800 mil a cada semana", informou o Ministério da Saúde.

A Fiocruz informou que passará de uma produção de cerca de 60 mil testes no mês de março para 1,2 milhão de testes em abril e 2,4 milhões em maio. "De junho a setembro, serão produzidos 2 milhões de testes por mês, totalizando, desde o início do fornecimento, uma entrega de 11 milhões de testes moleculares ao Ministério da Saúde".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.