Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Governo do DF suspende aulas e eventos públicos por 5 dias por causa de coronavírus  

Brasília tem dois casos confirmados de coronavírus até o momento, além de outras 72 pessoas que estão em observação. Ministro da Saúde criticou decisão

André Borges, Julia Lindner, Idiana Tomazelli e Jussara Soares, O Estado de S.Paulo

11 de março de 2020 | 20h09
Atualizado 12 de março de 2020 | 16h33

BRASÍLIA – O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, decidiu suspender as aulas em escolas públicas e privadas do DF e eventos públicos pelos próximos cinco dias, devido aos riscos de contaminação pelo novo coronavírus. Um  decreto deve ser publicado nas próximas horas, suspendendo as atividades a partir da zero hora desta quinta-feira, 12.

Além das escolas e eventos públicos, ficam suspensas todas as atividades que necessitam de alvará do governo do DF, como shows missas e eventos como o UFC, que receberia 15 mil pessoas no próximo fim de semana. 

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

“É uma decisão de precaução. As pessoas estão voltando de férias, há falta de kits para atendimento médico. Então, é prudente ter menos pessoas circulando. Precisamos organizar o sistema de saúde”, disse Ibaneis ao Estado. “Serão cinco dias de paralisações, podendo ser prorrogáveis por mais cinco.”

Brasília tem dois casos confirmados de coronavírus até o momento, além de outras 72 pessoas que estão em observação. A paralisação das escolas vai deixar cerca de 500 mil alunos em casa. Além disso, uma série de eventos públicos que estavam marcados terá de ser reagendada.

A primeira paciente diagnosticada com coronavírus está internada em estado grave no Hospital Regional da Asa Norte (Hran), região central de Brasília. O marido da paciente também teve contaminação confirmada, mas só concordou em fazer os exames depois de ser acionado judicialmente pelo governo do DF. 

“Nossa preocupação é que esse homem teve contato com muita gente enquanto se negava a fazer seus exames”, disse Ibaneis. O homem, que está em boas condições de saúde, está isolado em sua casa.

Ministro da Saúde critica medida

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, questionou a eficácia da decisão do governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha. Para Mandetta, a medida, neste momento, pode ter o efeito inverso ao desejado, que é proteger idosos e evitar uma eventual superlotação do sistema de saúde público. "Hoje, neste momento, ainda não (é uma recomendação do Ministério da Saúde)", disse Mandetta a jornalistas.

Ele argumentou que, ao tirar crianças e adolescentes das escolas, que não fazem parte do grupo de risco, elas podem ficar em casa e transmitir o Covid-19 aos idosos, que fazem parte grupo que demanda maior preocupação e atenção da pasta, já que a taxa de letalidade é maior para eles.

"Quando você tira a criança ela fica com quem? Com os idosos. E quem que ele (Ibaneis) quer proteger? 30% das crianças são assintomáticas, 60% têm casos leves, vão ficar com as avós? Daqui a uma semana você vai ter os idosos todos batendo no hospital", disse o ministro.

"É complicado, porque caso essas crianças e adolescentes deixem de estar na escola e vão para a casa dos avós, aqueles que mais precisam proteção são os idosos, ele não tem transmissão sustentada no DF, pode ser que faça uma semana e comece transmissão sustentada... Aí começa o caso dos idosos, que são aqueles que mais você quer proteger" reforçou em outro momento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.